Convite para sintonização energética especial

A Terra, unida a uma dimensão de amor e pacifismo pleno, através de uma grande ponte luminosa: esta é a imagem que convidamos a todos os nossos visitantes, em movimento individual ou que estejam associados a outras redes vibratórias e de orações por todo o Planeta, para um elo de sintonização e vibrações, nesta sexta-feira, dia 27 de abril, exatamente ao meio-dia (horário oficial de Brasília). Pensem nesta grande “ponte” sendo resguardada por verdadeiros escudeiros – anjos, mensageiros das esferas celestiais, guardiões com espadas de luzes ou quaisquer outras imagens de poder e arrebatamento nas quais creiam. Será um momento importante de união entre a Terra e energias amorosas, pacificadoras e curadoras.  
Não importa a sua crença religiosa. Trata-se de um movimento humano, em sintonia com o Divino, com a Fonte, com os Mestres, com Jesus, com todos os bons protetores e orientadores que desejam que nossa Terra evolua e caminhe, com a nossa ação pró-ativa, em prol de um movimento transformador. Mesmo a ciência racional e objetiva já demonstrou a importância e o poder da fé, da oração e da união de pensamentos positivos em prol de uma causa.
Reiteramos a importância da imagem da ponte de luz, dos escudeiros protetores e de seus queridos Mestres, resguardando o poder da chegada de um tempo novo! Juntos, seremos apenas UM, com o poder da crença no amor! 

Cultivar bons pensamentos e estar sempre disposto ao auxílio mútuo

Amadas sementes,

Aquilo que mentalizamos é aquilo que somos e é aquilo que contruímos. Pois o pensamento não é nada menos que FORMA. Ele é a materialização, ainda não totalmente compreendida pelo homem, do que está manifesto no Espírito.

Assim, tornar a mente um jardim de bons pensamentos não é tarefa fácil, mas é desafio que deve ser empreendido todos os dias. Assim como o cultivo de um jardim exige cuidados especiais, que vão desde o regar com bom senso – nem demais nem a menos; escolher os espécimes que serão salutares quando juntos; saber que tipo de luz incide sobre o local; escolher a época certa para plantio; podar sem ferir; assim também o cultivo de bom pensamentos exige técnica, prática e, acima de tudo, dedicação.

Têm chegado até a Espiritualidade, provenientes de membros dessa tão querida Rede, formas-pensamento que só fazem arraigar sementes perniciosas nos corpos, nos lares e nos entornos daqueles que os emanam. Mais grave, ainda, quando essas sementes começam a germinar, sob o auxílio de forças externas, sempre atentas para trazer o desconforto, a desesperança, a desconfiança nos elos – características que muitos já haviam aprendido a vencer.

As forças que pretendem dificultar o caminho até a Fonte de Luz e Bondade são incansáveis. E a elas é permitida a existência e o exercício, em um mundo dual, justamente para que cada ser possa também exercitar sua livre-vontade de caminhar com as próprias pernas até a Fonte original. No entanto, nós, que acompanhamos com carinho cada um dos que hoje são parte dessa Rede, temos a certeza de que o desejo genuíno de caminhar pela trilha da Verdade, que conduz à plena Saúde, é forte e efetivo.

Eis a forma-pensamento ideal: tudo posso, nAquele que me fortalece. Assim, terão a certeza de que SÃO efetivamente PODER, já que são parte do Poder Infinito e Misericordioso. Por que a dúvida, neste trecho do caminho, depois de tantas trilhas vencidas? Por que duvidar, se tantas provas já foram enviadas, a muitos em particular, e ao coletivo que habita essa senda? Vivemos um tempo em que provas materializadas já não são necessárias para que os olhares dos homens percebam os milagres. Vocês são o milagre, irmãos! SABEM disso!

Mantenham-se vigilantes, pois a queda na vigilância pode abrir campos magnéticos que comprometem a fé. Então, eis o círculo vicioso e ruim, que conduz, literalmente, a vícios, enfermidades e desequilíbrios. Boas leituras, ações edificantes conduzem a bons vínculos, de forma natural e espontânea. É bem compreensível, então, que o magnetismo inverso aconteça: vínculos agregados por formas-pensamento poluídas ou poluentes são trilhas certeiras para hábitos afins a essa energia.

Espalhem flores em seus lares e em seus espíritos. Vibrem na frequência dos anjos e dos céus. Estejam atentos, de forma firme, nesse momento, aos avisos – sutis ou não – dos que pedem socorro, de uma forma ou de outra. Nem sempre os que estão feridos no campo de batalha apresentam ferimentos expostos. Há dores que estão guardadas, mas os terapeutas das almas devem saber ler os indicadores dessa dor, para trazer o lenitivo. Nem sempre o enfermo tem forças para pedir auxílio, mas aquele que tem o coração aberto sabe auscultar o outro coração que clama por auxílio. Saibam ouvir os avisos e, acima de tudo, ao ouvir, coloquem-se a caminho, para amparar. Se lhes foi permitido ouvir o apelo, é porque a vocês, naquele momento, foi dada a força para o amparo.

Sabemos que muitos podem, ao ouvir esse apelo, acreditar que não possuem força suficiente para a intervenção necessária, quando preciso. Mas saibam que todo ser que habita esta Terra tem a capacidade de ajudar. Todos que aqui estão receberam o arsenal necessário para o enfrentamento dos desafios em prol do outro. Basta relembrar que são parte de uma Fonte inesgotável de Poder, Bondade, Justiça, Perdão, Luz, Amor, Caridade, Esperança, Alegria, Compreensão, Tolerância. Eis a argamassa que compõe os Espíritos e toda a forma de vida aqui existente. Eis o curativo mais poderoso já criado e que nenhuma ciência ainda foi capaz de formatar. E, lembrem-se, também: o grito de socorro pode vir apenas uma única vez, para quem está no lugar certo e na hora certa para ouvir. Vocês, quando escolheram evoluir, escolheram, também, serem trabalhadores da luz, sementes celestiais a serem germinadas pela dedicação e doação.

Se alguém de vocês perceber que em um dado momento não dispõe de instrumentos ou forças para a cura do irmão, faça como o Mestre, um dia ensinou: peça a outro, que vá ao encontro do irmão, em seu nome. Tenha a certeza de que você terá levado consigo, através do outro, parte de si mesmo e, mais importante, parte da centelha lenitiva da Fonte, já que importou-se, preocupou-se, tornou-se, por um momento, mesmo que a distância, um terapeuta. Eis o significado de “REDE”.

Experimentem, de mãos dadas, em um círculo, em silêncio, com os olhos bem fechados e em silêncio, transmitir, através das mãos, uma energia, um pulso àquele que está ao seu lado. Sem a necessidade de palavras, este pulso percorrerá toda a esfera, estabelecendo um diâmetro de sensibilidade e organicidade. Assim é o Planeta que habitam. Uma morada de elos. Redes, por toda a Terra, estão descobrindo esse poder e exercitando-o. Mas, repetimos, todo esse Poder pode, sim, esvair-se, se não houver a vigilância e, acima de tudo, a VONTADE daqueles que integram os círculos de se conectarem com a Fonte Divina.

Estamos presentes, sempre, ao lado dos que acreditam – e também dos que estão, momentaneamente, com a fé abalada. Estamos presentes ao lado dos que estão com o pensamento cultivado pela certeza do elo com a Fonte Infinita de Bondade – e também com os que, por qualquer motivo, vacilam e procuram o falso alívio oferecido pelo lado não-bom que compõe o dual desse momento de transição. Mas reiteramos: exercitem o Poder, com humildade e disposição para caminhar! Auxiliem-se, mesmo que precisem de esforços gigantescos para vencer o orgulho. Não tenham dúvida de que os testes serão cada vez mais vigorosos. Mas o resultado de toda prova é sempre um patamar a mais na escala de uma jornada. Creiam em vocês, como estamos crendo.

Fiquem em Paz, na Paz que está em cada um. Fiquem em Paz, na Paz que está no outro. Fiquem em Paz, espalhem a Paz e não permitam que ela arrefeça em seus corações. Fiquem em Paz e permitam que a Paz que há no outro possa ser cultivada e até mesmo ressuscitada, se necessário for. Todo medicamento que têm demandado já está à disposição, ao alcance de seus corações. Mesmo a partida para um outro plano não é o fim – tudo é recomeço, começo, caminhada.

Aos que compreenderam, em particular, algumas dessas linhas, como a si dirigidas em especial, rogamos que, nos próximos dias, estejam ainda atentos a orientações, intuições e palavras que virão das mais diversas fontes, oportunizadas e permitidas para este fim.

Saúde plena. Amor infinito…

Ana Justina Neri

Dia Mundial da Boa Ação: praticar o bem é ZEN!

No dia 26 de abril, celebra-se o Dia Mundial da Boa Ação. A data, que acontece sempre na última quinta-feira do mês de abril, foi criada na Austrália, em 2007. Hoje, ela já se espalhou pelo mundo e o Brasil é um dos países que mais tem tido iniciativas de boas ações.

Um dos movimentos de grande destaque no país em prol da solidariedade é A Corrente do Bem. Desde o ano passado, a iniciativa ajuda os brasileiros a passarem o bem para frente e a festejarem a data com ações de caridade.

Para disseminar o bem, a corrente propõe que, a medida em que uma pessoa recebe uma boa ação, ela seja solidária com três novas pessoas e, assim, sucessivamente. Metmaticamente, se em uma semana uma pessoa fizer o bem a três pessoas, em 21 semanas um bilhão de boas ações serão realizadas no mundo!

O site “A Corrente do Bem”, difundidor da ideia no mundo, possui um “Mapa do Bem“, onde as pessoas podem destacar ações feitas ou recebidas, “acendendo” pontos luminosos de bem por todo o Globo terrestre.

A Rede Zenitude convida a todos para aderirem à ideia. E, também, a passar por aqui e contar como foi a experiência – o que sentiu, como realizou a boa ação, na prática. Seja mais um elo nessa corrente transformadora. Fazer o bem faz bem! Generosidade e amor transformam o mundo!

Uma receita de tempero natural, saboroso e saudável

Uma receita de tempero caseiro natural e saudável, utilizando ervas.

Muitas pessoas usam ervas em chás ou remédios naturais. No entanto, não é mais comum, com a crescente onda industrializante, usá-las na preparação de temperos. E diversas plantinhas, bem conhecidas do brasileiro, tornam os alimentos mais saudáveis, saborosos e com aquele cheiro irrsistível de comidinha caseira. Tudo isso, é claro,  muito mais benéfico para a saúde do que os produtos industrializados.   Um recomendação dos especialistas em saúde é tentar reduzir ao máximo  a quantidade de sal utilizada na hora de temperar os alimentos. Juntamente com a farinha branca e o açúcar branco, ele tem sido considerado um dos grandes males da nossa alimentação. Abuse do alho, cebola, pimenta e outras ervas capazes de destacar o sabor dos pratos. Lembre-se de que devemos ingerir no máximo 6g de sal todos os dias – cerca de 6 colheres rasas de café.   Experimente esse tempero natural e saudável, repleto de ervas, ideal para utilizar em carnes, legumes, feijão, massas e outros alimentos. A maioria delas você encontra facilmente nos supermercados, sacolões e hortifrutis. Em caso de dificuldade com alguma, vale dar aquela visita ao mercado central de sua cidade – outra experiência que faz bem todos os sentidos. Cheiros, cores, sons, texturas são sempre abundantes, nestes locais.  

Receita de Tempero Caseiro
Ingredientes 
•1 xícara (chá) de manjericão picado
•1 xícara (chá) de hortelã picada
•1 xícara (chá) de manjerona picada
•1 xícara (chá) de salsinha picada
•1 xícara (chá) de cebolinha picada
•1 galho pequeno de alecrim
•3 folhas de sálvia
•4 cebolas médias
•1/2 quilo de alho descascado
•1 colher (sopa) de orégano
•2 colheres (sopa) de azeite

Preparo
Descasque as cebolas e corte-as em quatro partes. Junte as cebolas, o alho e azeite. Bata no liquidificador até obter uma pasta cremosa. Acrescente os demais ingredientes e bata mais uma vez, até que estejam bem triturados. Despeje em um pote limpo com tampa e guarde na geladeira.

Algumas Dicas
Como você deve ter observado, o tempero não leva sal. Caso seja necessário, inclua um pouquinho de sal na hora do preparo, levando em consideração as recomendações de consumo do produto.

Outra dica importante é lavar bem todas as folhas antes de preparar o tempero. Se não gostar do sabor de algumas delas, substitua por outra da receita, dobrando a quantidade. O ideal é utilizar as folhas frescas, mas se não as tiver em mãos, é possível recorrer às ervas secas.

Novo gibi quer estimular inclusão social da criança cadeirante

Crianças cadeirantes podem ter vida normal? A resposta é sim. E é isto que mostrará as histórias do recém-lançado gibi, Turma do Lukas – uma iniciativa do projeto “Uma Mãe Especial”, do casal Antonia e Fábio Yamashita,  e publicado pela editora Nilobook.

Antônia e Fábio são pais de Lucas, de 11 anos, que tem paralisia cerebral, e de Victor, de 6 anos. Desde o nascimento do primogênito – uma criança alegre, que frequenta a escola e cresce com toda a atenção e cuidados que merece –  se dedicam a divulgar, por meio de livros e palestras, que crianças deficientes podem – e devem – ser inseridas no convívio social.

Coube à Antonia, que é pedagoga, roteirizar o gibi, cujo objetivo é levar a crianças de até dez anos conhecimento sobre outras que usam cadeiras de rodas. “Alguns adultos, por falta de conhecimento, têm preconceito em relação a crianças cadeirantes. E esse preconceito, muitas vezes, acaba passando para as crianças. Por isso, queremos que elas saibam que, mesmo estando numa cadeira de rodas, as crianças são iguais”, afirma.

O gibi, editado pela Nilobook, tem periodicidade trimestral. Trará histórias divertidas, leves e lúdicas que mostram a criança cadeirante inserida no universo infantil de maneira natural. Com isso, busca também a identificação das crianças que usam cadeiras de rodas, que não são muito retratadas na ficção, com os personagens do gibi. “A ideia é estimular o contato e o convívio entre as crianças para que todos se acostumem à cadeira de rodas”, finaliza a pedagoga.

Sobre a Mãe Especial   A iniciativa de Antônia e Fábio Yamashita surgiu a partir da experiência de maternidade de Antônia. Aos 18 anos, ela deu à luz a Lucas, que nasceu prematuro extremo, com apenas 28 semanas e 880 gramas. O bebê sofreu com anoxia, hemorragia cerebral grau IV, hidrocefalia e meningite bacteriana. Após 3 meses de vida na UTI neonatal recebeu alta, mas o resultado dos problemas foi uma paralisia cerebral.

Antônia relatou a experiência dos cinco primeiros anos de vida de Lucas no livro “A trajetória de uma mãe especial” (editora Nilobook). Em 126 páginas, a obra reúne informações e oferece esperança e entusiasmo àqueles que estão passando pela mesma experiência de Antônia e Lucas. No livro, ela fala com naturalidade e emoção sobre os desafios da deficiência que atinge mais de 24 milhões de pessoas no Brasil.

Depois de lançar o livro, Antônia começou a levar e compartilhar suas experiências com outros educadores, mães e pais. Hoje, Antônia é pedagoga, palestrante, escritora e mãe, como gosta de frisar. Tem dois filhos: Lucas, 10 anos, e Victor, 6 anos.

Além do livro e do gibi, o “Mãe Especial” também lançou uma apostila de alfabetização para crianças com deficiência. O site www.umamaeespecial.com traz as experiências e a história de vida de Antônia e os desafios e as alegrias diárias de Lucas. Com suas palestras, passou por diversos estados brasileiros, levando suas experiências e trocando informações sobre a deficiência. O que Antônia e Fábio pretendem com o projeto é mostrar que a convivência natural e sem preconceito entre pessoas com e sem deficiência é possível. “Como se fossem totalmente iguais e ao mesmo tempo conscientes de que somos todos diferentes”, diz Antônia.

Evento em Belo Horizonte/MG debate a sustentabilidade do Planeta!

Uma iniciativa que merece a atenção e a participação de todos!

O SUSTENTAR 2012 – Fórum Internacional pelo Desenvolvimento Sustentável é uma excelente oportunidade para promover um debate amplo de importantes questões socioambientais do planeta, do país e da comunidade.   O evento conta com a participação de renomados especialistas, executivos, lideranças e autoridades nacionais e internacionais em desenvolvimento sustentável, gerando exposição de soluções para os desafios que a questão da sustentabilidade traz para governo, empresas e sociedade civil.   O tema da quinta edição do SUSTENTAR 2012 será “A Nova Economia: a Transformação da Sociedade, das empresas e das pessoas“, assim como suas respectivas abordagens sociais, econômicas, ambientais e culturais.   Sediado em Belo Horizonte há 05 anos, desde a sua primeira edição, é considerado um dos mais representativos eventos sobre sustentabilidade do Brasil.   A QUEM SE DESTINA   Conhecimento, informação, emoção, atualização, debates, discussões, participação, intercâmbio. O SUSTENTAR 2012 é o momento oportuno para gestores de responsabilidade socioambiental de empresas, governo, acadêmicos, mídia, todo cidadão, pessoas físicas e jurídicas, discutirem ideias, atitudes e soluções que contribuam para promover a construção de um mundo melhor, com responsabilidade ambiental, social, econômica e cultural.

Para informações e inscrições, entre no site oficial: www.sustentar.net

Ter animais faz bem para o coração

Donos de animais têm coração mais saudável! Quem, aliás, nunca sentiu o coração reconfortado, em um dia triste, quando o seu amigo focinhudo ou rabudo ou cheio de patinhas e pelos – sabe-se lá o que cada um chama de animal de estimação! O que vale é respeitá-los, cuidar deles, amá-los e jamais, em tempo algum, abandoná-los, quando já não possuem tanto vigor e beleza.  Valores do Zenitude, que valem para toda e qualquer forma de vida!

Segundo pesquisa japonesa, aqueles que convivem com um pet apresentam mais variabilidade do ritmo cardíaco Portadores de doenças crônicas que possuem mascotes parecem ter corações mais saudáveis do que aqueles que vivem sem um animal de estimação – seja de pelos, penas ou escamas, diz um novo estudo japonês. Na pesquisa publicada no American Journal of Cardiology, os cientistas que estudaram quase 200 pessoas descobriram que aqueles que tinham um pet contavam com mais variabilidade do ritmo cardíaco do que os que não tinham um animal. Isso significa que seus corações respondem melhor às exigências das mudanças corporais, como bombear sangue mais rapidamente em situações de estresse. Uma variabilidade reduzida está associada ao maior risco de morrer por problemas do coração.

“Entre os pacientes com doença coronária, os donos de mascotes mostram uma sobrevida um ano maior do que os que não têm bichos, diz o autor, Naoko Aiba, da Universidade de Kitasato, no Japão. No estudo, a equipe avaliou 191 pessoas com diabetes, pressão arterial elevada ou colesterol alto durante 24 horas usando um monitor cardíaco durante todo o tempo. A faixa etária estava entre 60 e 80 anos.

Os pesquisadores também perguntaram sobre as atividades diárias e sobre se tinham ou não animais domésticos. Nos donos de pets, cerca de 5% das batidas do coração diferiam em 50 milésimos de segundo em extensão, contra 2,5% dos que não tinham animais. Isso significa que o ritmo cardíaco mudava menos.

Até agora, não se sabe o que causa a diferença. Pode ser em função dos animais, ou pode ser que haja diferenças entre os que escolhem ter pets e os que não querem bichos. “Suponho que os mascotes são uma forma de apoio social, e por isso reduzem o estresse e podem satisfazer algumas necessidades de companhia”, dizem os Judith Siegel, da Faculdade de Saúde Pública da UCLA, que não participou do estudo. “Não creio que ninguém tenha uma boa referência sobre essas discrepâncias”, acrescentou. Os autores ressalvam que eles seguiram os voluntários apenas por um dia e que outros fatores deveriam ser levados em conta, como diferenças potenciais entre os tipos de animais. Erika Friedmann, da Escola de Enfermagem da Universidade de Maryland, considera que o estudo dá um passo em algo já conhecido – a conexão entre ter um mascote e saúde. “Estamos entrando na vida diária da pessoa, e isso é emocionante”, disse ela, que não participou da pesquisa.

Autor: Reuters
Fonte: Estadão – Saúde

Faça um domingo de paz! Vibre pela paz!

Dedique alguns minutos do seu domingo para unir-se a outros corações, mentes e almas, espalhados pelo mundo, que anseiam e estão construindo juntos um Planeta melhor. Domingo, dia 12 de fevereiro, às 13 horas (hora exata e oficial de Brasília), una-se à Rede Zenitude, em vibrações positivas pelo Planeta e por todos os seus habitantes vivos – pessoas, plantas e animais. Pense em um mundo onde as pessoas consigam livra-se dos vícios e onde haja saúde integral e harmonia. Pense em curadores celestiais chegando até nós e nos trazendo bálsamos acalentadores. Visualize uma chama protetora envolvendo o Planeta. Exercite o perdão. Telefone para alguém que não vê há muito tempo e diga-lhe o quanto ela é importante para você. Chame um vizinho e lhe ofereça uma flor do seu jardim ou um alimento de sua dispensa. Espalhe a onda do amor. Outros, em todo o Planeta, estarão fazendo o mesmo. Estaremos juntos. Unos, na Fonte inesgotável do amor!

Sobre Simplicidade e Sabedoria – Um texto do escritor Rubem Alves


Rubem Alves, nascido em Boa Esperança, em 15 de setembro de 1933, é um psicanalista, educador, teólogo e escritor brasileiro. Autor de livros e artigos abordando temas religiosos, educacionais e existenciais, além de uma série de livros infantis. Aqui, ele constrói uma crônica inspiradora sobre a simplicidade.

SIMPLICIDADE é um dos valores da Rede Zenitude. Temos mais nove. E uma missão, que define nossas ações e propósitos. Conheça-os aqui. Continue lendo “Sobre Simplicidade e Sabedoria – Um texto do escritor Rubem Alves”

Crianças criadas com afeto têm hipocampo maior, revela estudo

Sim!!! A Rede Zenitude sabe e pratica o “valor” da afetividade, em todos os momentos. Mas nada melhor do que o reconhecimento científico! Vejam, que dados interessantes sobre a afetividade na fase infantil e as consequências positivas para toda a vida…

As crianças criadas com afeto têm o hipocampo – área do cérebro encarregada da memória – quase 10% maior que as demais, revela um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (“PNAS”).
A pesquisa, realizada por psiquiatras e neurocientistas da Universidade Washington de Saint Louis, “sugere um claro vínculo entre a criação e o tamanho do hipocampo”, explica a professora de psiquiatria infantil Joan L. Luby, uma das autoras.
Para o estudo, os especialistas analisaram imagens cerebrais de crianças com idades entre 7 e 10 anos que, quando tinham entre 3 e 6 anos, foram observados em interação com algum de seus pais, quase sempre com a mãe.
Foram analisadas imagens do cérebro de 92 dessas crianças, algumas mentalmente saudáveis e outras com sintomas de depressão. As crianças saudáveis e criadas com afeto tinham o hipocampo quase 10% maior que as demais. “Ter um hipocampo quase 10% maior é uma evidência concreta do poderoso efeito da criação”, ressalta Luby.
A professora defende que os pais criem os filhos com amor e cuidado, pois, segundo ela, isso “claramente tem um impacto muito grande no desenvolvimento posterior”.
Durante anos, muitas pesquisas enfatizaram a importância da criação, mas quase sempre focadas em fatores psicossociais e no rendimento escolar. O trabalho publicado nesta segunda-feira, no entanto, “é o primeiro que realmente mostra uma mudança anatômica no cérebro”, destaca Luby.
Embora em 95% dos casos estudados as mães biológicas tenham participado do estudo, os pesquisadores indicam que o efeito no cérebro é o mesmo se o responsável pelos cuidados da criança é o pai, os pais adotivos ou os avós.

 Fonte: Efe

Em suas mãos, o poder da amorosidade e da cura…

Amabilíssimos irmãos, que as mãos afáveis dos Céus estejam amparando cada um e que as dificuldades possam ser dissipadas ou assimiladas como fonte de aprimoramento e progresso. Em minha escolhida dedicação a este orbe, rogo à infinita misericórdia divina para que as dores possam ser abrandadas com o curativo maior do amor, do perdão, da esperança e da fé.

Alguns pontos importantes nos são permitidos trazer, neste breve mas oportuno momento de contato. Quando muitos se preparam para ações voltadas à cura dos desafios morais, é preciso atenção para não se deixar vencer pelo medo da derrota. Saibam que não há derrota para os que verdadeiramente tentam. As mãos que empreendem esforços efetivos no sentido do progresso nunca estão desamparadas.

Gostaríamos de reiterar a importância de continuarem se fortalecendo em rede. A importância de se estruturarem como grupo, evitando que as dores individuais se sobreponham ao belo espírito de comum-unidade que deve ser a marca de quem busca o desenvolvimento planetário. Quem caminha sozinho chega mais rápido, mas aqueles que caminham juntos chegam mais longe. Aos que são seguidores, amparem suas lideranças, com afeto e firmeza, pois a missão de orientar, dirigir, liderar nem sempre é fácil e as renúncias pessoais que muitas vezes têm que fazer são escolhas determinantes para os rumos de um grupo. Aos que lideram, busquem cultivar a humildade, a capacidade de ouvir e observar, a capacidade de falar e calar-se nos momentos certos, a capacidade de estar atento à intuição como verdadeiro medicamento que os céus nos trazem nos momentos de decisão.

Estejam com as mãos unidas. Um peso dividido é menor, quando há mais de uma mão a segurá-lo. Toquem-se. A si mesmos e aos outros, em seu redor. Há, no centro das mãos de cada um, poderosos instrumentos de percepção e cura que, hoje, ainda não conseguem ver com os olhos físicos. Saibam que, na grande maioria das vezes, é mais importante tocar que curar e a própria intenção amorosa do toque traz em si ingredientes de cura. A mão que toca, cura porque leva carícia, confiança, oferece acolhida e manifesta cuidado. A mão amorosa faz nascer a essência humana naqueles que são tocados. Pensem que, ao tocar a mão de alguém estão entrando em contato com um campo vibracional único e estão permitindo que também o seu campo vibracional esteja, por um instante, conectado e aberto. Portanto, mantenham sempre as mãos livres de armas que ferem e de escudos de desconfiança e não-bondade.

Nossa querida irmã Teresa, que um dia viveu em Calcutá, dizia aos que a perguntavam sobre os milagres que aconteciam, quando ela, em nome do amor divino, espalhava dons de cura por onde passava: “Toca-os, lava-os, alimenta-os”. Palavras nada distantes das lições do grande mestre que, outrora, andou por este mundo, nas ruas de uma Jerusalém carente do toque amoroso e curativo.

Há alguns que, por contingências pessoais, nos últimos dias, andam descrentes e sem esperança. Sabemos e acompanhamos, podem ter certeza. Mas olhem, agora, com os olhos da alma, para o centro das mãos. A guerra contra o não-bem pode ser vencida com o poder que emana das mãos de vocês. Vocês têm a autoridade, como filhos da Fonte, para usarem as mãos para se curarem e para espalharem a cura. Vocês podem usar as mãos para dizer NÃO à tentação daquilo que é não-virtude e não-bênção. Vocês podem usar as mãos para desligar ou desconectar-se das tecnologias que não edificam ou para empurrar para longe de vocês os instrumentos do vício ou da insensatez. Não toquem no que é não-bem, mas que naturalmente os atraem. Pensem em suas mãos como extensões de suas almas. E usem-nas, como instrumentos para a busca de uma alma e um corpo novo.

Somos unidos a vocês, nessa luta iniciada desde o nascimento de cada um e que se estenderá até a partida para campos de energia menos densos e limitados. Somos unidos a vocês, enquanto pessoas e enquanto grupos que devem, por sua vez, unirem-se a outros. Somos unidos, na luta contra o não-bem. Mas PRECISAMOS que anseiem e desejem, com a mais firme intenção. Desejar a cura é início de cura. Desejar a virtude já é uma virtude. PRECISAMOS que tenham a intenção do afastamento face ao não-bem, para que as trilhas do bem possam ser pisadas pelos tarefeiros da bondade que querem chegar até vocês. DESEJEM o bem. Em seus lares, em suas comunidades, junto aos seus amigos e, principalmente, junto aos que hoje consideram inimigos e que podem ser os que escolheram vir até este mundo para lhes trazerem oportunidades de curas de grandes vícios incluindo a mágoa e o desamor.  Pensem nesse mundo como um grande campo de batalhas, onde nós, tarefeiros da luz, desejamos que vença a paz e o amor incondicionais.

O desafio de refletir sobre a cura dos vícios é, por si só, uma grande batalha. Tenham a certeza de que os escudos celestiais já estão sendo preparados para vocês. Mas afinem-se na frequência cotidiana da cura, a partir de hoje, a partir de ontem, a partir de sempre. Mesmo sabendo dos apelos que tornam essa jornada pessoal tão difícil, procurem manter-se saudáveis. Cuidar da saúde significa manter a sua visão integral, buscando um equilíbrio entre o que sentem, o que desejam e o que fazem. Pensem que são um todo em movimento e, como todo, devem tentar esse equilíbrio e sanidade onde quer que transitem.

Seremos um só, na chegada. Que não seja tão rápida, quanto seria se estivéssemos sozinhos. Mas será mais segura, porque teremos o amparo do outro, dos outros, do todo. Cada ser que cair pelo caminho não será abandonado. Terá as mãos do outro. Seremos fortes, como cidadãos da luz e da cura. Vencedores. Mergulhados na fonte infinita de luz, onde não há vícios, onde predomina o bem e todas as virtudes. Que assim seja, que assim se construa!

Fiquem em paz e com saúde!

Ana Justina Neri

Canalizada em 31/01/2012

Valorizando as virtudes para uma saúde integral

(Mensagem de Ana Justina Néri, pioneira da enfermagem no Brasil, canalizada em 02/01/2012)

Dirigimo-nos, em especial, às redes que, nesse ano auspicioso que se inicia, pretendem incluir em seus desafios a árdua batalha contra os vícios – quer seja em posturas  diretas de ação, quer seja em reflexões cotidianas em seus trabalhos de aprimoramento para a prática da bondade com o próximo.

Ao falarmos de vício, necessário que pensemos, primeiramente, no campo oposto, afim de criarmos um campo mental benéfico de pensamento e vibração. Pensem, irmãos, no conceito que possuem de virtudes humanas. Virtudes são, à luz dos ensinamentos dos Mestres ascencionados, dos anjos e de todas as orientações recebidas ao longo da trajetória do homem sobre a Terra, todas as boas atitudes e hábitos, saudáveis e ao mesmo tempo úteis, que se tornam repetidos e automatizados, ou seja, são praticados sem sequer serem questionados, pois se tornam parte da criatura, resultado da vigilância em nossos gestos, atitudes e, principalmente, pensamentos. Pensem em uma criança que ainda não tenha sido inteiramente socializada e perceberão, com facilidade, que as virtudes são inerentes ao Espírito. Todos, almas encarnadas e desencarnadas,  somos criaturas do Criador e, assim, temos originariamente d’Ele todas as virtudes. Não há impurezas na Fonte. Basta que, com a nossa Vontade, estejamos imbuídos do desejo latente de RE-conexão com a Fonte, recuperando essas virtudes e colocando-as  em prática. Somente assim poderemos ascender na escala evolutiva espiritual e vencer as consequências dolorosas que os vícios nos trazem.

Com um campo mental vibracional favorável, pensando incialmente no bem, urge dizer aos membros de todas as redes que ora optam por ações destinadas ao enfrentamento dos vícios, que necessitarão, sim, de um profundo exercício de coragem, para realizarem, a partir de si próprios, um movimento salutar e belo de autocura. Tal movimento poderá ser, em vários momentos, litigante, carreando questionamentos profundos, individuais e no seio das próprias redes. Sim. Eis aí o primeiro dos movimentos: o de aceitação e de autoceitação de que cada ser vivente possui desafios viciosos, em si, que precisam ser trabalhados, à luz dos seus conhecimentos adquiridos e de sua autovigilância.

Do ponto de vista espiritual, todo momento de vício é um momento de abertura e entrega. Saibam, sem qualquer ingenuidade ou justificativa pessoal, que todo ser em estado de viciamento é um obsidiado em potencial.  Há energias no plano não-físico que transformam os da Terra em instrumentos para satisfação do vício, numa verdadeira associação psíquica, uma espécie de transe sutil e imperceptível – e, por ser imperceptível, mais grave.  Nesta comunhão indesejável ao desenvolvimento e ascensão para a Fonte, as energias não-físicas  colhem as sensações do viciado, manipulam-nas, transformam-nas e, saibam ainda, podem usá-las até mesmo como uma espécie de reservatório futuro para incentivar aquela alma doadora ou outras almas a imergirem em outras formas de vícios. Tal qual o sentimento positivo de “rede”, que vocês, redes, têm começado a perceber como poderoso, tais energias do não-bem arquitetam, assim, uma verdadeira rede não positiva de ação viciosa. Daí falharem, comumente, muitos dos tratamentos de desintoxicação dos viciados – tanto no plano físico quanto no plano energético, caso não haja, em contrapartida, toda uma vigilância e toda uma rede de bondade e de apoio circundantes.

O grande desafio começa, então, em perceber que os vícios não são apenas as posturas DO OUTRO, mas procurar buscar onde estão aqueles que precisam ser burilados em nós. Temos a tendência de apontar os excessos de desvios do outro e escamotearmos os nossos. Assim, é necessário que, ao se engajar de forma sincera em um movimento antitabagista, por exemplo, as redes e cada um dos seus membros pensem em lidar pessoal e coletivamente com outras posturas viciantes, como o alcoolismo, a toxicomania, a gastrolatria, a sexolatria ou a ludomania. Todas elas formam hipercampos energéticos imperceptíveis, danosos e imensamente marcadores dos rumos de crescimento dos Espíritos. Todas elas alteram negativamente ou destroem relações familiares e sociais – algumas vezes até mesmo comprometendo planos encarnatórios assumidos para a presente existência, acarretando danos cármicos que precisarão ser reorganizados e resgatados. E, acredite, irmãos, planos que podem precisar de rearranjos até mesmo para toda uma coletividade, Nação ou orbe planetário. Pensem e pesem esta responsabilidade, cotidianamente. 

No plano espiritual, o estímulo pessoal aos vícios  é tido e tratado, sob profunda compaixão, mas com firmeza,  como uma forma de suicídio indireto. Por ter essa informação impregnada em seus registros informacionais inconscientes, além dos próprios desequilíbrios relativos ao ato em si, os vícios levam o Espírito a sentimentos de culpa, tanto mais penosos quanto maiores tenham sido os abusos cometidos.

Mais importante, nesse caminho desafiante é, sem dúvida, a mudança de posturas. Deus sabe discernir o bem do não-bem e, por estarmos conectados a essa energia radiante, não há como esconder nossas incoerências, que podem passar despercebidas a todos os demais. A prece não esconde as faltas. Aquele que a Deus pede perdão de suas faltas SÓ O OBTÉM MUDANDO DE PROCEDER. AS BOAS AÇÕES SÃO A MELHOR PRECE. ATOS são sempre mais valiosos que toda e qualquer palavra.

Vencer o alcoolismo, a sexolatria, a toxicomania, a gastrolatria, a ludomania impõe perceber que não há meio-termos de conduta. A tendência a sermos autocondescendentes é justamente o que leva à abertura para a inércia, para a continuidade, para a invigilância. Pertencem a este campo frases como “começo amanhã”, “isto não prejudica a ninguém”, “só mais uma vez”, “só faço isso entre quatro paredes”, “apenas uma pequena dose não me fará mal”, “tenho perfeito autocontrole”, “estou conectado também em outros ambientes, enquanto estou a conectar-me a este que percebo como perverso”, “já aprendi, mas não sou capaz de praticar”.

Como proceder? Em primeiro e imediato momento, efetivamente DESEJAR a mudança! Pois a misericórdia divina é tão grande que permite a cada um, caso deseje, a permanência – mesmo que saibamos que tal permanência, aos que já possuem o conhecimento, como é a maioria dos que falamos hoje, aos reunidos em redes de apoio espiritual, assume um aspecto de negligência perante os caminhos que levam à Fonte.  Os Espíritos e o Criador sabem as dificuldades que teremos para vencer os vícios e fazer prevalecer as virtudes, mas nos advertem: difícil, sim, mas impossível, não! Portanto, a primeira postura é uma firme disposição SINCERA de vencer o não-bem, tanto do paciente quanto dos seus circunstantes (é a vigilância). E, por favor, irmãos, nesse sentido creiam no poder da Rede em que se inseriram, como auxiliadora. Peçam ajuda aos irmãos em Rede, busquem-nos, sempre que sentirem necessidade. Procurem trocar, deliberada e cotidianamente, a conexão com o indesejável, com a conexão com os amigos da Rede. E saibam que a força da conexão presencial é a mesma que possui a conexão através dos equipamentos recém-criados nesse plano para tal. Disso têm ciência as boas e as energias do campo do não-bem! Por isso, optem, tanto no presencial, quanto no uso intermediado pelas máquinas, por situações cuja intuição e sua voz interior dizem que são as melhores.

Além da postura desejante, adotem uma postura de oração constante. Uma alma que ora ocupa o seu tempo. E é o tempo ocioso que tem feito com que muitos de vocês se desviem da rota, inclusive cedendo ao apelo das modernas e fulgurantes máquinas recreacionais que incentivam o prazer. Orem  muito, de forma sincera e pessoal, ligando-se aos benfeitores espirituais que trabalham em favor da sua recuperação.

Outra orientação que damos é que procurem promover mais reuniões de assistência emocional e espiritual. Esta é uma forma de ocupar coletivamente o tempo de vocês, tal qual orientamos no ocupar individual. Em contrapartida, pensem na qualidade de suas reuniões, em todos os demais campos. Diz-me com quem andais, e eu vos direi quem sois, lembram-se disso? Saibam que, hoje, é preciso dizer ainda: diz-me ONDE e com quem andas, e eu te direi quem és e para onde ESTÃO INDO! Associar-se com boas energias é tornar-se parte delas. Ambientes impregnados de energias não-positivas também induzem aos vícios, por mais equilibrados que estejamos. Lembrem-se: tudo é energia radiante, em permanente interação.

Submetam-se, sempre que possível, a terapias de apoio físico e energético. Tenham a humildade de perceber-se em situação de auxílio. Utilizem as fontes restauradoras de cada uma de suas crenças. Fluidoterapias, passes, bênçãos (padres, pastores, mestres – não importa, desde que busquem), meditações, exercícios respiratórios, movimentos de curas físicas, busca de adequados recursos psicológicos e clínicos. Não se julguem autosuficientes, pois este é, não duvidem, um dos maiores caminhos para a vaidade e o orgulho – também uma forma de vício e porta de entrada para as energias deletérias que os espreitam a todo momento.

A cada um de vocês, nesse desafio, saibam que o auxílio virá, desde que haja a vontade, a firmeza de propósitos e o real empenho por mudança. A máxima, já dita, repetimos novamente: “AJUDA-TE QUE O CÉU TE AJUDARÁ”. Comecem em cada um a mudança que desejam ver no mundo! Estejam em Paz. Permitam-se a vitória contra o não-bem, pois só assim caminharão para a verdadeira Fonte.  Sejam a FONTE, onde reinam a saúde e a paz integral!