Centenário de nascimento de Chico Xavier

chico-xavierEm 2010, se estivesse vivo, Francisco Cândido Xavier completaria 100 anos de idade.

Chico Xavier é considerado um ícone da Doutrina Espírita, inclusive apontado por algumas pessoas como a reencarnação de Allan Kardec.

Independente de crença ou religião, a lembrança da caminhada de Chico pela Terra é uma oportunidade de aprendizado e crescimento espiritual. A exemplo de outros nomes como Madre Tereza e Irmã Dulce, Chico dedicou sua vida a ajudar o próximo.

Nascido de família extremamente pobre, órfão de mãe aos cincos anos, começou a trabalhar como aprendiz em uma indústria aos nove anos de idade.

Enfrentou diversos desafios, inclusive relacionados ao preconceito das pessoas ao seu redor, devido a sua capacidade de estabelecer contatos com espíritos.

Chico não se rendeu às dificuldades, cumpriu com louvor sua missão. Fundou casas de assistência a necessitados e, através de seu exemplo, inspirou diversas pessoas a fazerem o mesmo.

Que em 2010 possamos nos lembrar de Chico Xavier como mais um espírito que veio à Terra nos trazer uma mensagem de paz, amor e solidariedade.

Em Pedro Leopoldo, cidade onde Chico nasceu, a União Espírita Mineira dará início às celebrações do seu centenário de nascimento. Durante o ano, são várias atividades que já estão programadas.

E você, que tal colocar na programação do novo ano que se inicia conhecer um pouco mais da vida deste homem e levar para a sua vida um pouco de seus ensinamentos?

Confira o convite para a abertura das comemorações em www.zenitude.com.br/convite_centenario.pdf

Nossa Escolha, de Al Gore, ensina como salvar o mundo

capaalgore“Se você quiser ir rápido, vá sozinho. Se quiser ir longe, vá acompanhado.” Com esse provérbio africano, o ex vice-presidente americano Al Gore inicia as suas provocações, em seu novo livro, para que, juntos, possamos adotar atitudes para a salvação do planeta. “Nossa Escolha” (lançado no Brasil pela Editora Amarilys) é o resultado do aprendizado que Al Gore adquiriu em todos os encontros e debates que realizou. Trata-se de um guia para quem quer, de fato, colocar a mão na massa e fazer a sua parte.
Nós, da comunidade Zenitude, temos nos esforçado em difundir e adotar pequenas e cotidianas posturas que podem fazer a diferença. Se você tem boas ideias ou experiências concretas, compartilhe conosco.
 

 

Desde o primeiro livro (ele escreveu mais dois em seguida), Al Gore organizou 30 eventos que ele chama de “Solution Summits”, ou Encontros para Soluções, onde se reuniram especialistas mundiais nas área de agricultura, neurociência, economia, tecnologia de informação, entre outras, para discutir ações a serem aplicadas na questão do clima. “Our Choice” é o resultado do aprendizado que Gore adquiriu de todos estes encontros e debates: trata-se de um guia para quem quer, de fato, colocar a mão na massa e fazer sua parte. Gore acredita que a solução está em nossas mãos, ela é palpável e que, além das questões de aquecimento global, elas iriam tocar em outros problemas que se perpetuam por séculos: a fome, a pobreza extrema, crises de segurança e de economia. O ex vice-presidente acredita que para começar a resolver tudo isso, basta saber que não podemos depender ferrenhamente de combustíveis fósseis. Para ele, isso é um perigo.

No livro, ele apresenta alternativas para o combustível a base de carbono, como energia solar, nuclear, eólica, geotérmica e de biomassa. Ele defende com todas as forças que deveríamos colocar preço nas emissões de gás carbônico e outros poluentes do aquecimento global, como uma forma de medir o impacto que temos sobre o planeta. Ele ainda se aprofunda em assuntos como florestas e seqüestro de carbono e fala que o maior obstáculo para mudanças reais ainda é a nossa mentalidade. Ele diz que, sim, cada vez mais se fala sobre o assunto, mas que ainda não chegamos num ponto onde os governos se engajaram como deveriam, há um desnível entre a comunidade científica e a política e que dinheiro é gasto com campanhas que desinforma a população.

Gore reforça que a cada 24 horas nós (sim, eu e você incluídos) despejamos nove milhões de toneladas de poluentes no ar que circunda a Terra. Ele acha que, assim como aconteceu no movimento civil americano, as iniciativas mais significativas em relação ao aquecimento global deverão emergir dos movimentos populares, de baixo para cima – e não de líderes.

Ele lembra que vivemos numa sociedade de “gratificação instantânea”, voltados para os resultados de curto prazo, e portanto, mudar esta mentalidade, e fazer com que pensemos nas futuras gerações é um dos maiores desafios. E nos recorda, no entanto, que o ser humano é capaz de pensar e de agir em longos prazos: basta ver como foram construídas as grandes catedrais européias, ao longo de gerações; ou mesmo campanhas de longuíssimo prazo, como a do anti-fumo e a do uso do cinto-de-segurança , que no começo enfrentaram resistência, mas depois de anos e persistência, conseguiram mudar comportamentos. O cuidado com a Terra também terá de ser um aprendizado. “Nossa obrigação é moral”, diz ele.

Serviços voluntários ajudam a prevenir demência na velhice

Já que muitas pessoas fogem do exercício da solidariedade, quem sabe ao saber que ser solidário faz bem à saúde ajudar ao próximo passe a ser um gesto mais corriqueiro. Ser Zenitude é ser voluntário! Acredite e espalhe essa ideia!

melhoridadeRIO – Participar de serviços voluntários, como cuidar de crianças, ajuda a retardar ou reverter a perda de função cognitiva na velhice, segundo estudo de pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Johns Hopkins Bloomberg.
A partir da análise de exames de ressonância magnética, os autores observaram que idosos que participaram de um programa de acompanhamento de crianças tiveram ganhos em regiões-chaves do cérebro que atuam em habilidades cognitivas importantes para o planejamento e organização da vida cotidiana.
O estudo é o primeiro de seu tipo a demonstrar que trabalhar em programas sociais estimula a capacidade cognitiva. Ele foi publicado na edição deste mês da revista “Journals of Gerontology: Medical Sciences”. Cerca de 78 milhões de americanos nasceram entre 1946 e 1964. Esse indivíduos em idade de se aposentar estão no grupo que mais cresce nos Estados Unidos. Daí o grande interesse de trabalhos nessa área.
– Descobrimos que os participantes da experiência apresentaram melhora no funcionamento cognitivo, e isso foi associado com mudanças significativas nos padrões de ativação cerebral – disse a pesquisadora Michelle C. Carlson, professora-adjunta no Departamento de Saúde Mental e Centro de Envelhecimento e Saúde da Universidade.
Os participantes eram voluntários idosos treinados para ajudar crianças em escolas públicas em Baltimore. O estudo acompanhou 17 mulheres com idade a partir de 65 anos, avaliadas no momento da admissão e novamente seis meses mais tarde. Passaram por investigação com ressonância e testes de função cognitiva.
– Embora os resultados deste estudo sejam preliminares, eles indicam que é possível estimular e manter o bom funcionamento do cérebro em idades mais avançadas, especialmente entre os indivíduos sedentários. Eles podem se beneficiar com mais urgência de intervenções comportamentais – disse Michelle.
À medida que se aumenta a expectativa de vida, é importante do ponto de vista da saúde pública atrasar o aparecimento de doenças associadas ao envelhecimento, afirmou a principal autora da pesquisa, Linda P. Fried, da Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Columbia:
– Este estudo sugere que novos papéis para idosos em nossa sociedade podem trazer ganhos para os dois lados.

Descubra a Biodança

biodancaBIODANZA ou BIODANÇA é uma prática terapêutica de desenvolvimento humano, orientada para aflorar os potenciais humanos necessários a uma vida plena, saudável, sensível e criativa.  Através da dança – linguagem dos gestos, onde os movimentos são a expressão dos sentimentos e emoções de cada um – do contato e da comunicação em grupo, amplia a consciência de si mesmo, propiciando a elevação da auto-estima.

É comum privilegiarmos o conhecimento intelectual e a racionalidade em detrimento das nossas emoções e sentimentos, com isto, perdemos o vínculo com a natureza humana deixando de ouvir o próprio coração e o coração dos demais. O interesse da Biodanza consiste em priorizar a experiência corporal e a sensibilidade. Tem como principal objetivo proporcionar uma integração intra-psíquica, onde sentimento, ação e razão possam andar juntos.

Criada na década de 60 pelo médico psiquiatra ROLANDO TORO ARANEDA (Chile, 1924), que iniciou seus trabalhos vivenciais acreditando na força da Dança e da Música no tratamento de seus pacientes. Dando origem ao primeiro esboço teórico da Biodanza, voltado para a humanização e valorização da vida.

Sua técnica utiliza a música e a dança para criar estímulos adequados para que os participantes possam utilizar melhor seus cinco canais de expressão da emoção: a criatividade, a vitalidade, a afetividade, a sexualidade e a transcendência. Podendo conectar-se com a alegria, a coragem de viver e a capacidade de amar.

É praticada em grupos semanais, suas sessões são previamente preparadas e seguem metodologia própria, baseada no princípio Biocêntrico, na progressividade e nas necessidades do grupo.  O grupo de Biodanza é heterogêneo, composto por pessoas de todas as idades e de diferentes formações. Cada grupo é único na sua história, no seu processo interativo e nas questões existenciais de cada participante.  Dançando o participante vai se soltando e descobrindo que pouco a pouco pode alterar o seu estilo de vida e  a qualidade das suas relações.

Alguns benefícios da Biodanza podem ser apontados:

 * Aumenta energia vital e disposição para ação;
 * Ativa e desbloqueia a criatividade;
 * Intensifica a expressão da afetividade;
 * Desenvolve abertura para o prazer;
 *
 Incentiva a autonomia e responsabilidade;
 *
 Aumenta a capacidade para escolher e tomar decisões;
 * Fortalece a identidade;
 * Melhora a qualidade das relações interpessoais;
 * Aumenta a alegria e coragem de viver;
 * Reforça auto-estima;
 * Restabelece vínculos afetivos;
 * Reduz o stress.
 

Não há pré-requisitos para fazer Biodanza. Não é preciso saber dançar. É preciso estar aberto e ter disponibilidade para viver o novo! 

Sinta-se convidado a conhecer a Biodanza. Nosso grupo terá o prazer em lhe receber!  Facilitadora em Belo Horizonte: SIMONE NORONHA – Maiores informações: (31) 3244-0366 OU 9994-0366.

Fé ajuda no tratamento de enfermidades

Volta e meia, temos tido convições das religiões respaldadas pela “Ciência”. Aqui, com aspas propositais – afinal, “Ciência”, por si só, é um substantivo tão abstrato quanto “fé”. Mesmo que digam que “Ciência” é tudo aquilo que pode ser comprovado, isso já é, em si mesmo, um dogma, que deve ser aceito pelos que praticam e aceitam, tal qual qualquer dogma religioso.
fe
A fé pode curar, ou ajudar a curar, dizem os populares livros de auto-ajuda. A mesma opinião têm alguns investigadores que tentam comprovar cientificamente os benefícios da espiritualidade na recuperação de doentes ou, em casos terminais, em alcançar uma morte com maior conforto.
 

Agora, têm sido cada vez mais evidentes as “provas científicas” (tudo bem… parei com as aspas…) de que a fé remove não só as montanhas, mas também as enfermidades. Vejam esta notícia, publicada no site científico Alert-On Line.

Quem nunca conviveu de perto com doentes terminais, dificilmente conseguirá compreender o turbilhão de sentimentos vivenciados por essas pessoas, entre os quais se podem contar a angústia de ter os dias contados e a esperança de que algum milagre surja para lhes salvar a vida. Em circunstâncias tão difíceis, vale tudo. Além da medicina convencional, procura-se alívio nas medicinas alternativas, nos chás e mezinhas e na oração. Ao longo das últimas décadas, cientistas um pouco por todo o mundo têm analisado as repercussões da prática religiosa nas condições de saúde de pessoas doentes. 

A ciência sabe que a fé dos doentes crentes influencia o seu comportamento. Estes doentes tendem a evitar atitudes de risco e são menos susceptíveis do que os não crentes à adopção de hábitos de vida menos saudáveis, como o alcoolismo, toxicodependência e tabagismo. Tudo isto provoca uma diminuição dos níveis de ansiedade destes doentes. Isso, por seu turno, aumenta a capacidade de defesa do seu sistema imunitário, um fator vital em pacientes com doenças crônicas. 

Num estudo publicado no ”Journal of Clinical Oncology”, investigadores do Dana-Farber Cancer Institute e da Universidade de Harvard, EUA, liderados por Tracy Balboni, avaliaram a importância da espiritualidade em doentes oncológicos em fase terminal. Constataram que 88% dos doentes entrevistados atribuía alguma importância à religião nessa fase das suas vidas, embora 47% dissessem que os seus grupos religiosos não davam uma resposta completa às suas necessidades espirituais. Por outro lado, 72% desses pacientes afirmaram que essas necessidades não eram de todo atendidas, ou só eram minimamente atendidas, pelos serviços médicos. Uma conclusão deste estudo é que os pacientes gostariam de sentir uma maior receptividade por parte dos médicos que os acompanham relativamente à sua espiritualidade. 

A aceitação da sua fé contribuiria, certamente, para os ajudar a suportar melhor a passagem por uma fase tão difícil. Um outro estudo, realizado por uma equipa italiana do Instituo San Raffaele Pisana, em Roma, e publicado na revista ”Stroke” analisou o impacto da fé no controlo dos sintomas de depressão e de ansiedade após um AVC (acidente vascular cerebral). Foram avaliados 132 pacientes, com uma média de 72 anos, que tinham sofrido um AVC e estavam internados para reabilitação física. Os pacientes foram questionados sobre a sua religiosidade e espiritualidade e foram também avaliados quanto aos seus níveis de ansiedade e sintomas depressivos.

A equipe, liderada por Salvatore Giaquinto, verificou que, se a depressão interfere negativamente na recuperação dos doentes hospitalizados e, mesmo, após terem alta médica, os pacientes crentes apresentavam menos sintomas depressivos e tinham um melhor prognóstico de recuperação. Podemos concluir, com base tanto no estudo sobre o impacto da fé em doentes terminais como no que avaliou as consequências da mesma na recuperação de doentes vítimas de AVC, que acreditar em algo transcendente traz inúmeras vantagens e pode, muitas vezes, servir de alavanca para a recuperação ou, pelo menos, ajudar quem vai partir a despedir-se da vida de um modo mais tranquilo.

Estudo britânico confirma propriedade analgésica de hortelã brasileira

(Fonte: BBC – Brasil)

hortelabravaUma xícara de chá de um tipo de hortelã tem propriedades analgésicas equivalentes às de alguns remédios vendidos comercialmente, concluiu um estudo feito na Grã-Bretanha por uma pesquisadora brasileira.

Há séculos, a erva Hyptis crenata, conhecida como hortelã-brava e salva-de-marajó, vem sendo utilizada na medicina popular no Brasil para tratar desde dores de cabeça e estômago até febre e gripe.

Liderada pela brasileira Graciela Rocha, a equipe da Universidade de Newcastle, no nordeste da Inglaterra, fez estudos com ratos e provou que a prática popular tem base científica. O estudo foi publicado na revista científica Acta Horticulturae.

Graciela Rocha está apresentando seu trabalho no International Symposium on Medicinal and Nutraceutical Plants em Nova Déli, na Índia.


Tradição
De forma a reproduzir os efeitos do tratamento da maneira mais precisa possível, a equipe fez uma pesquisa no Brasil para descobrir como a erva é preparada tradicionalmente e que quantidades devem ser ingeridas.

O método mais comum de uso é ferver a folha seca em água durante 30 minutos e deixar que o líquido esfrie entes de bebê-lo. Os pesquisadores descobriram que quando a erva é ingerida em doses similares às indicadas na medicina popular, ela é tão efetiva em aliviar a dor como uma droga sintética, do tipo aspirina, chamada indometacina. A equipe pretende agora iniciar testes clínicos para descobrir quão efetiva a erva é no alívio da dor em humanos.

“Desde que os homens começaram a andar na Terra, temos procurado plantas para curar nossas aflições”, disse Graciela Rocha. “Na verdade, calcula-se que mais de 50 mil plantas sejam usadas no mundo com fins medicinais. Além disso, mais de a metade de todos os remédios vendidos com receita são baseados em uma molécula que ocorre naturalmente em alguma planta”.

“O que fizemos foi pegar uma planta que é amplamente usada para tratar a dor com segurança e provar cientificamente que ela funciona tão bem como algumas drogas sintéticas”, disse Rocha. “O próximo passo é descobrir como e por que a planta funciona”.

Sabor da Infância
Graciela disse que se lembra de ter tomado o chá como cura para todas as doenças da sua infância. Ela disse: “O sabor não é o que a maioria das pessoas na Grã-Bretanha reconheceriam como hortelã”.

“Na verdade, ela tem um gosto mais parecido com o da sálvia, que é uma outra erva da família das mentas”. “Não é muito gostoso, mas remédios não tem de ser gostosos, não é?”

A presidente da Chronic Pain Policy Coalition, entidade britânica que trabalha para combater a dor crônica, disse que a pesquisa é interessante. “São necessários mais estudos para identificar a molécula envolvida, mas este é um estudo interessante sobre um possível novo analgésico para o futuro”, disse Beverly Collett.

“Os efeitos de substâncias semelhantes à aspirina são conhecidos desde que os gregos, na Antiguidade, relataram o uso da casca do salgueiro para cortar a febre”.

Americanos apontam que emagrecer pode ser mais fácil com Florais de Bach

Aliados, os florais Crab Apple, Cherry Plum e Chestnut Bud compõem uma fórmula que ajuda na aceitação das imperfeições, no controle dos ataques à geladeira e no aprendizado do que é ou não bom para sua dieta. O produto já é sucesso no mercado americano.
 
 
floraisTodo mundo conhece a fórmula do emagrecimento: dieta balanceada aliada à queima calórica por meio de exercícios físicos. Porém, também se sabe que aspectos emocionais contribuem para o sucesso ou o fracasso de uma dieta. Como em tudo, as emoções afetam a ansiedade e outros sentimentos que nos levam, muitas vezes, a nos refugiar na comida. Portanto, para que se obtenham resultados positivos no processo de emagrecimento, é preciso também encontrar o equilíbrio emocional, explica Maria Aparecida das Neves, terapeuta floral e especialista em transtornos alimentares.
 
Para quem quer atacar o problema por todos os lados, uma boa indicação são os Florais de Bach Originais. As essências florais não são medicamento, mas sim elementos capazes de agir sobre as emoções e sentimentos que nos levam a transtornos, doenças, culpas e muitos outros males. Por serem naturais, os Florais de Bach Originais não têm contra-indicação, podendo ser aplicados a pessoas de todas as faixas etárias, mesmo aquelas que apresentam problemas físicos.
 
Os três florais estão sendo comercializados, nos Estados Unidos, em uma única caixa, chamada de ‘Eating Kit’, um sucesso absoluto de vendas (veja em: http://www.nelsonshomeopathy.com/shop-online/Bach-Emotional-Eating-Kit_prod1763.aspx), tornando-se uma a mais nova “febre” entre os que buscam emagrecer sem riscos à saúde e sem grandes esforços.
 
No Brasil, os florais são vendidos separadamente, mas os três frascos formam exatamente o mesmo produto. A ação de cada um dos componentes da fórmula pode ser assim definida:
Crab Apple – Trata-se de um floral indicado para a auto-aceitação. Quando a pessoa tem problema em aceitar-se, podendo desenvolver repugnância por sua aparência se acha visualmente desagradável, sentem-se sujos, impuros, perde a auto-estima por não aceitar suas imperfeições, dificilmente encontra forças para mudar. É aí que o Crab Apple e’ conhecido como o floral da limpeza, ela ajuda a limpar qualquer que seja o aspecto – físico ou mental, já que ajuda no processo de aceitação de suas imperfeições.
 
Cherry Plum – Quando você sente medo de perder o controle e causar danos a voce mesmo, que perdeu o controle de sua dieta, ao simples fato de ser contrariada, vai para a compensação. Cherry Plum o ajuda a pensar e agir racionalmente. É a típica cena: você sabe que um pedaço de pizza tem o mesmo gosto que a terceira ou quarta fatia. E sabe que não precisa de uma grande quantidade de alimento. Porém, algo o faz atacar o prato, totalmente sem controle. O Cherry Plum  pode ser considerado um tônico para a razão, que permite retomar o controle sobre seus pensamentos e ações, ajudando-o a entender o processo de emagrecimento e a agir em prol de sua dieta.
 
Chestnut Bud – Para completar o Eating Kit, o Chestnut Bud vem ajudá-lo a não repetir os mesmos erros. Há pessoas que vivem em dieta eternamente. Dieta da lua, da proteína, dos pontos, há quem conheça cada uma delas detalhadamente. Elas já sabem como se alimentar corretamente e como escapar das armadilhas alimentares, parecem não aprender com suas experiências, sempre cometem os mesmos erros. Compras exageradas de itens que devem ficar fora da dieta, abuso de álcool e sobremesas, vontade de faltar na academia… Seja como for, acabam repetindo os mesmos erros – e que o leva cada vez mais distante do seu objetivo – o Chestnut Bud o auxiliará a não repetir as mesmas falhas,ajudando a seguir adiante e alcançar um nível de vida melhor.
 
É importante ressaltar que os Florais de Bach originais não substituem a dieta, os exercícios físicos ou mesmo os medicamentos (quando receitados por médicos), mas complementam o tratamento, atuando diretamente nas emoções.
 
O composto dos florais Crab Apple, Cherry Plum e Chestnut Bud pode ser preparado em uma farmácia de manipulação de sua confiança ou você pode adquirir os três florais separadamente e ministrá-los conforme a orientação de um terapeuta floral.

Os Florais de Bach
 
O médico inglês Edward Bach, na década de 30, descobriu um sistema universal de cura: os chamados Florais de Bach. A cura, neste caso, não era física, mas sim emocional, afinal, para ele a desordem dos sentimentos e emoções se refletia em malefícios no corpo – uma constatação, atualmente, muito fácil de entender.
 
Os Florais de Bach são 38 essências feitas a partir de plantas e florais, ‘gotinhas’ que ajudam as pessoas a administrar as pressões emocionais do dia-a-dia e as que surgem motivadas por alguma situação específica – perdas, traumas, etc. Com as emoções em ordem, é possível ter um corpo saudável, livre de qualquer mal.
 
Bach identificou 38 estados negativos da mente como medo, incerteza, solidão e desalento, entre outros. Para cada estado de ânimo ele encontrou uma planta e criou uma essência floral para tratá-lo.
 
A chave para receitar as essências é justamente reconhecer como a pessoa está se sentindo e verificar qual essência corresponde com o estado de espírito descrito. É o passo mais importante para equilibrar as emoções. São muitos os relatos de pacientes que, ao tomarem floral, conseguiram controlar seus sentimentos e passaram a aproveitar melhor a vida.
 
O sistema criado por Bach tem ainda outras vantagens: é totalmente natural, não é algo caro e não têm contra-indicação. Esta forma de tratamento tem sido utilizada, cada vez mais, por terapeutas e pessoas comuns que buscam o equilíbrio com a ajuda de métodos naturais.

(Caso deseje agendar uma consulta ou obter mais informações sobre a terapia floral, entre em contato com zenitude@neymourao.com.br ou pelo telefone: 31 3421-8102)

Livro mostra como potencializar os sentimentos positivos e neutralizar os negativos

Bons livros fazem bem à alma! Quando o assunto é potencializar o lado positivo de todos nós, melhor ainda! Aqui vai uma dica preciosa, para estar ao lado de nossa cabeceira. Se alguém fizer a leitura, vale “passar por aqui”, depois e comentar!

E não se esqueçam de trazer outras contribuições, sugestões de leituras, tudo que possa trazer bem-estar para esta “comum-unidade”!

capaPara os alemães Bärbel e Manfred Mohr, os sentimentos e pensamentos são catalisadores para a compreensão e modificação das estruturas de nossas vidas. Com eles alinhados e coordenados, é possível produzir a energia necessária para a realização dos desejos e projetos. Conhecidos internacionalmente, os estudos desses autores agora estão acessíveis ao público brasileiro, com Sabedoria do coração, lançamento da Editora Vida & Consciência, em que analisam profundamente o fenômeno das emoções, ensinando a potencializar os sentimentos positivos e a transformar os negativos em confiança e auto-estima.

De acordo com os autores, estamos vivendo a Nova Era do Sentimento em que as sensações e emoções passam a ser valorizadas. “Sentimentos são cada vez mais atraentes. O homem está a caminho de sua aproximação com eles”, escrevem.

A obra divide-se em quatro partes. A primeira aborda a interação entre razão e emoção. Na segunda, discute como a supremacia do racional levou a uma ruptura com lado emocional, mas que agora estamos vivendo uma Nova Era do Sentimento, em que os critérios emocionais passam a ser relevantes. Na terceira parte, os autores apresentam exemplos reais e concretos de empreendimentos bem sucedidos. Para finalizar, há um exercício de meditação, que auxilia o leitor a lidar com as próprias emoções.

Aprofundando o conhecimento acerca dos sentimentos e estimulando as pessoas a experimentarem tudo no “âmago de seus seres”, Sabedoria do coração ajuda a refinar a percepção de si mesmo e a lidar de forma positiva com o mundo exterior, transformando até mesmo o que é negativo em molas propulsoras para a felicidade e autocontrole do próprio destino.

Sobre os autores – Bärbel e Manfred Mohr são alemães, casados e artistas. Ele é pintor, artista digital e músico de jazz. Ela é fotógrafa, pintora, designer e produtora de vídeo. Ao lado da carreira artística, dedicam-se ao estudo dos efeitos dos sentimentos e do Universo sobre a realização humana. Com 15 livros publicados e traduzidos para 14 idiomas, fazem palestras e workshops em vários países da Europa e nos Estados Unidos. Vivem atualmente em Munique, na Alemanha.

Menino cria site que só mostra notícias boas

Obaaaaaa! A ideia de “notícias boas” pode virar um vírus bom. Nós, do Zenitude, apostamos que é uma postura das mais positivas. Quem dera isso se espalhasse, diminuindo o baixo astral reinante da mídia, o gosto sádico das pessoas pelas notícias ruins, o cheiro de sangue que fica nas nossas salas, quando assistimos aos noticiários. Que venham outras iniciativas como essa. Nós apoiamos e assinamos embaixo.

******************

Um menino norte-americano parece ter a solução para quem acredita que as notícias são muito deprimentes: aos 12 anos, ele criou um site especializado em tudo de bom que acontece no mundo.

Entre os deveres da escola e lições de violoncelo, Max Jones, de Orlando (Flórida) criou um “império televisivo online” que só transmite boas notícias.

O site Weekend News Today (www.hnheadlines.com), do qual Jones é o apresentador principal, recebe 5 mil visitas diárias e conseguiu atrair colaboradores adolescentes de todo o mundo para enviar textos e vídeos.

“Realmente creio que uma pessoa pode fazer a diferença no mundo, apenas pouco a pouco”, disse à agência France Presse o jovem empreendedor, que sonha presidir uma cadeia de 15 sites algum dia.

Max quer ser jornalista e aposta na internet porque acredita que eventualmente os diários vão ceder aos meios online, e ele busca um papel de liderança nessa transição.

Em dezembro de 2008 converteu seu armário em um estúdio de televisão onde passa cinco horas por semana – e ainda mais tempo no verão – escrevendo artigos, editoriais, gravando vídeos, conseguindo mais colaboradores e se associando em diferentes sites.

“Vou dormir por volta das 21h”, contou. “Mas se tenho muita lição de casa, deixo a web de lado porque a escola deve ser prioridade”.

Max, que também está tendo aulas de jornalismo online, encontrou muitos colaboradores em sites de classificados, como o popular Craigslist, e de estágios, como o www.internship.com.

Seu site Weekend News Today quase não tem publicidade e não tem fins lucrativos, mas gera alguma renda ao vender conteúdos em uma loja online que oferece artigos e fotos.

Max, que grava seus vídeos em casa e no laboratório de computação da escola Lake Highland Preparatory School, onde vai cursar agora o sétimo ano, tem a tenacidade de um jornalista experiente.

Após a renúncia da governadora do Alaska, Sarah Palin, ele escreveu: “É isto um colapso da meia idade para Sarah?” Ele solicitou uma entrevista na secretaria de imprensa dos republicanos, mas ela não foi concedida.

Max teve mais sorte com o autor de um livro sobre a Coreia do Norte, a quem localizou depois do sequestro das jornalistas americanas Laura Ling e Euna Lee perto da fronteira chinesa.

Assim, teve um papel ativo na luta pela libertação das jornalistas, e quando isso finalmente aconteceu depois da mediação histórica do ex-presidente Bill Clinton, Max recebeu uma ligação telefônica de agradecimento da própria Ling.

Lillian Wu, 18 anos, começou a escrever no Weekend News Today depois de entrar em contato com Max no Facebook. Wu, que começará a universidade este ano, disse que Max tem sido uma inspiração para ela.

“É um garoto muito jovem que está aí para mudar o mundo”, disse ela à agência France Presse. “Para muitos adultos isso não importa, ou eles são indiferentes. Mas ele está fazendo sua voz ser ouvida, e tem apenas 12 anos”.

Fonte: Terra Colombia