Uma receita de tempero natural, saboroso e saudável

Uma receita de tempero caseiro natural e saudável, utilizando ervas.

Muitas pessoas usam ervas em chás ou remédios naturais. No entanto, não é mais comum, com a crescente onda industrializante, usá-las na preparação de temperos. E diversas plantinhas, bem conhecidas do brasileiro, tornam os alimentos mais saudáveis, saborosos e com aquele cheiro irrsistível de comidinha caseira. Tudo isso, é claro,  muito mais benéfico para a saúde do que os produtos industrializados.   Um recomendação dos especialistas em saúde é tentar reduzir ao máximo  a quantidade de sal utilizada na hora de temperar os alimentos. Juntamente com a farinha branca e o açúcar branco, ele tem sido considerado um dos grandes males da nossa alimentação. Abuse do alho, cebola, pimenta e outras ervas capazes de destacar o sabor dos pratos. Lembre-se de que devemos ingerir no máximo 6g de sal todos os dias – cerca de 6 colheres rasas de café.   Experimente esse tempero natural e saudável, repleto de ervas, ideal para utilizar em carnes, legumes, feijão, massas e outros alimentos. A maioria delas você encontra facilmente nos supermercados, sacolões e hortifrutis. Em caso de dificuldade com alguma, vale dar aquela visita ao mercado central de sua cidade – outra experiência que faz bem todos os sentidos. Cheiros, cores, sons, texturas são sempre abundantes, nestes locais.  

Receita de Tempero Caseiro
Ingredientes 
•1 xícara (chá) de manjericão picado
•1 xícara (chá) de hortelã picada
•1 xícara (chá) de manjerona picada
•1 xícara (chá) de salsinha picada
•1 xícara (chá) de cebolinha picada
•1 galho pequeno de alecrim
•3 folhas de sálvia
•4 cebolas médias
•1/2 quilo de alho descascado
•1 colher (sopa) de orégano
•2 colheres (sopa) de azeite

Preparo
Descasque as cebolas e corte-as em quatro partes. Junte as cebolas, o alho e azeite. Bata no liquidificador até obter uma pasta cremosa. Acrescente os demais ingredientes e bata mais uma vez, até que estejam bem triturados. Despeje em um pote limpo com tampa e guarde na geladeira.

Algumas Dicas
Como você deve ter observado, o tempero não leva sal. Caso seja necessário, inclua um pouquinho de sal na hora do preparo, levando em consideração as recomendações de consumo do produto.

Outra dica importante é lavar bem todas as folhas antes de preparar o tempero. Se não gostar do sabor de algumas delas, substitua por outra da receita, dobrando a quantidade. O ideal é utilizar as folhas frescas, mas se não as tiver em mãos, é possível recorrer às ervas secas.

Que tal um patê de… alegria?

Antes que pensem que a turma do Zenitude pirou de vez, nós explicamos. Quem vive meio tristonho, sem motivo aparente, na certa mudaria de humor, se passasse a consumir, com mais frequência, um grão pouco utilizado pelos brasileiros: o grão-de-bico. Isso mesmo! Os cientistas estão confirmando: ele é um alimento repleto de fontes de bem-estar e bom humor!

É provável até que nossos ancestrais soubessem desse efeito. Ou então teriam desistido do cultivo da planta, extremamente sensível às condições de clima e solo e também ao ataque de pragas. Hoje quem empresta sua chancela à leguminosa é a prestigiada revista científica internacional Journal of Archaeological Science, que divulgou recentemente trabalho de pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade de Haifa, ambas em Israel, exaltando suas propriedades.

Por aqui, nossos cientistas também dão seu aval ao grão-de-bico, boa fonte de ferro, carboidratos e proteínas. Leonardo Boiteux, estudioso do centro nacional de pesquisa de hortaliças da Embrapa, empresa brasileira dedicada ao estudo e ao desenvolvimento agropecuário, atribui o alto teor protéico a uma combinação de aminoácidos. Entre eles a estrela é o triptofano, que aparece em grandes quantidades. Essa substância é usada pelo organismo para a produção de um neurotransmissor chamado serotonina, responsável pela ativação dos centros cerebrais que dão sensação de bem-estar, satisfação e confiança.

“Boas doses desse composto resultam ainda em diversos efeitos fisiológicos, como maiores taxas de ovulação e melhora no padrão de desenvolvimento das crianças”, diz o pesquisador. A nutricionista Andréa Penatti Ferreira, que recentemente estudou as alterações químicas do grão-de-bico durante o cozimento para sua dissertação de mestrado na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP, em Piracicaba, acrescenta que a disponibilidade de ferro é outro diferencial da leguminosa.

Além de servido na salada ou em sopas, o grão-de-bico também pode ser transformado em um delicioso patê. E quem nos ensina a receita é Simone Noronha, psicóloga, educadora, facilitadora de Biodança, vegetariana convicta e integrante da família Zenitude. Que tal preparar aí, na sua casa, e chamar todos nós, para saborear?


Patê de grão-de-bico (à La Noronha)

Delicioso, típico da culinária árabe/libanesa. Muito bom em sanduíches com folhas verdes ou simplesmente como acompanhamento do pão sírio.

Ingredientes
250 g de grão-de-bico.
4 colheres de sopa de tahine (pasta de gergelim; pode substituir por duas colheres de sopa de azeite, mas com o tahine fica mais gostoso).
2 dentes de alho bem picadinho.
Suco de 1 limão (se desejar, pode colocar mais limão).
Sal a gosto.
½ colher de chá de cominho.
1 colher de sobremesa de salsinha picada.
Se precisar, acrescente um pouco de água para ficar menos denso (+ ou – 1/4 xícara de água; aproveite a água em que cozinhou o grão de bico).

Modo de fazer
Coloque o grão-de-bico de molho, em água, na véspera.  No dia seguinte, cozinhe, em panela de pressão, por aproximadamente 20 minutos, até que fique bem macio (coloque 1 folha de louro, 1 dente de alho e uma pitada de sal; não precisa retirar a casca)
Escorra-o e passe pelo liquidificador com um pouco da água em que foi cozido. Deve ficar uma espécie de purê espesso.
Tempere com sal e pimenta síria e acrescente o tahine ou azeite, o alho e o limão e misture bem.
Leve à geladeira e, na hora de servir, decore com salsinha, pimenta rosa e páprica doce.

Um chá relaxante muscular, natural

Todos conhecem aquelas folhinhas usadas como tempero, que são colocadas no feijão e que servem apenas para dar um gostinho especial, já que, habitualmente, são deixadas de lado no prato, na hora da alimentação. As folhas de Louro, conhecidas em algumas regiões brasileiras como Loureiro, são usadas em pratos pesados, como a feijoada, exatamente por uma de suas propriedades: são extremamente digestivas. Além de auxiliarem em casos de má digestão, o chá feito com folhas de Louro é um relaxante muscular, sem os efeitos colaterais agressivos dos relaxantes alopáticos, como sonolência pesada, por exemplo. Experimente a receita, simples e fácil:

•1 colher de sopa de folhas de louro
•1 xícara de água
•Mel, a gosto, para adoçar

Preparo:

Ferva a água e despeje sobre as folhas de louro, deixando tampado, por três a quatro minutos. Adoce com o mel. Beba, preferencialmente, antes de uma refeição leve.

Strogonoff de repolho

Isso mesmo! Você leu certinho! Strogonoff… de repolho! Uma delícia saudável, com fibras e que pode ser preparado rápida e facilmente. A “invenção” é do Ney Mourão, membro dessa Rede, que adora inventar moda na cozinha… e na vida! A receita fez o maior sucesso, em um dos nossor Retiros Vivenciais.

Ingredientes
01 repolho verde ou roxo, médio.
Cheiro verde à vontade.
Sal a gosto.
01 caixinha de creme de leite gourmet ou comum, sem soro.
Creme de tomate (preferencialmente) ou 01 lata de massa de tomate.
01 colher de sobremesa rasa de açúcar.
200 g de milho verde fresco cozido.
Azeite, suficiente para refogar.
Três dentes de alho picado.
Uma cebola média, picada.

Modo de preparo
Picar o repolho em pequenos cubinhos ou fatiado em pedaços maiores.
Refogar o alho e a cebola no azeite, com o sal. Acrescentar o repolho picado e mexer. Acrescentar o molho de tomate, aos poucos. Cozinhar por dez minutos. Adicionar o milho e a colher de açúcar. Abaixar o fogo e acrescentar o creme de leite. Misturar bem e salpicar o cheiro verde. Desliagr o fogo, deixar a panela tampada, por dois minutos, para impregnar o cheiro verde.

Para acompanhar, o “clássico”: arroz (branco ou integral) e batata palha. A batata palha, para os vegetarianos mais exigentes, pode ser substituída por cubinhos de queijo tofu defumado.

SAÚDE INTEGRAL: No lugar da farinha branca… farinha de frutas!

Já ressaltamos, aqui e em vários momentos presenciais da Rede Zenitude, os malefícios que a farinha branca pode causar ao organismo. Ao lado do sal e do açúcar branco, ela é considerada, atualmente, como um dos três “pós brancos”, verdadeiros venenos que, em longo prazo e cumulativamente, maltratam a nossa saúde integral.

Mas, como substituir a farinha branca por outras opções saudáveis e que, ao mesmo tempo, sejam saborosas, em nosso cotidiano? A Revista Vida Natural e Equilíbrio trouxe, em sua edição de número 46, uma interessante matéria, que reproduzimos parte dela aqui. Veja as alternativas, experimente. Sua saúde, com certeza, agradece.

A proposta dos alimentos em pó veio para ficar. No começo, os cereais e os grãos dominavam o pedaço com alto teor de fibras e outros princípios ativos ligados ao emagrecimento saudável. Pois bem, agora é a vez das farinhas de frutas conquistarem adeptos. Elas também têm fibras, mas a novidade é que carregam nutrientes importantes e enriquecem as refeições. Com vocês, as farinhas de açaí, maçã, banana-verde, uva, laranja-amarga e maracujá.


Farinha de açaí

Fibras, proteínas, gorduras do bem, potássio, vitaminas B1, B2 e E, além de um mix poderoso de compostos antioxidantes e anti-inflamatórios fazem parte do pacote de nutrientes da farinha de açaí (Euterpe oleracea). “Ela age prevenindo lesões que os radicais livres podem causar, isto faz que as nossas células e, em consequência, nossos órgãos funcionem adequadamente, prevenindo uma série de doenças”, afirma a nutricionista funcional Barbara Rescalli Sanches, da Clínica Damasceno, em São Paulo.

Mas será que a versão em pó preserva todos os nutrientes da fruta? Segundo estudo publicado pela Revista Brasileira de Farmacognosia, não há diferença significativa entre as gorduras benéficas encontradas na fruta daquelas encontradas no caroço, que serve de matéria-prima para o preparo da farinha. “Sendo assim, podemos afirmar que os benefícios das gorduras insaturadas, que estão associados à boa aparência da pele e ao desenvolvimento mental, e os benefícios antioxidantes da vitamina E são mantidos”, atesta Barbara Sanches.

A farinha de açaí pode ser também uma aliada importante na hora da malhação. “Ela é indicada para atletas, devido à sua ação revigorante”, esclarece a nutricionista clínica especializada em nutrição funcional Mariana Oliveira de Assis Exel, do Hospital Samaritano, de São Paulo.

A farinha de açaí é rica em potássio e tem alto teor de proteínas, por isso, pessoas com problemas renais não devem consumi-la.


Farinha de banana-verde

Comer a fruta antes do amadurecimento não parece ser boa ideia. E em sua forma in natura, realmente não é. A saída é apostar no consumo da farinha de banana-verde (Musa spp.). O xis da questão é um nutriente que só é encontrado antes que a fruta esteja madura: o amido resistente, um tipo de carboidrato que não é digerido pelo nosso organismo e possui ação parecida com a das fibras.

Um estudo realizado com diabéticos na Nova Zelândia comprovou os benefícios da substância no controle da glicemia. A nutricionista do Hospital Samaritano explica que o alimento é bom para diabéticos, porque o amido retarda a absorção de glicose e evita picos de glicemia.

A farinha também apresenta benefícios contra o câncer intestinal. “Ao chegar ao intestino grosso, o amido resistente é digerido pelas bactérias, produzindo substâncias benéficas tanto para o órgão quanto para o organismo em geral”, atesta a nutricionista.

E os benefícios dessa fermentação vão além. “Por servirem de alimento às bactérias benéficas do nosso intestino, a substância também é responsável pela melhora do sistema imune, já que a maioria das nossas células de defesa é fabricada no órgão”, explica Barbara Sanches.

Farinha de uva

Sabe os tão aclamados benefícios do vinho tinto e do suco de uva? Então, eles também estão presentes na farinha de uva (Vitis vinifera L.). Além das fibras, o alimento é boa fonte de diversas substâncias antioxidantes que varrem os nocivos radicais livres para fora do organismo. “Ela combate o envelhecimento celular, previne doenças degenerativas e ajuda a manter as paredes arteriais flexíveis, melhorando a circulação e diminuindo o risco de doenças cardiovasculares”, explica Roseli Rossi.

O alimento é um excelente aliado para combater e prevenir os diversos problemas ligados à má circulação. “Ela melhora a circulação cerebral, diminui o aparecimento de varizes, auxilia na prevenção da flacidez do tecido cutâneo e melhora quadros de artrite”, comenta a nutricionista.

Abra os olhos e aceite umas colheradas, pois a farinha também ajuda na saúde da visão. “Há evidências de que os compostos presentes na farinha aliviam o cansaço dos olhos, diminuindo a degeneração macular e melhorando a circulação nos pequenos vasos oculares, evitando danos à visão. Porém, mais estudos devem ser realizados”, conta a nutricionista do Hospital Albert Einstein.

Farinha de maçã

Você já deve ter ouvido falar em pectina, certo? Saiba que tanto a farinha de maçã (Malus sp) quanto a fruta in natura são ricas na substância. O nutriente é um tipo de fibra solúvel que não é absorvido pelo organismo e se liga facilmente à água, transformando-se em uma espécie de gel, que reduz a absorção de gorduras e açúcares e protege a microbiota intestinal. “Ela é eficaz na regulação dos níveis de glicose, colesterol e triglicerídeos, além de prevenir doenças degenerativas e crônicas, como câncer de cólon e reto, aterosclerose e diabete”, explica a nutricionista Michelle Leite Oliveira, do Serviço de Nutrição Clínica do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo.

Segundo a especialista, a pectina também contribui para a perda de peso, já que ocupa espaço no estômago, proporcionando sensação de saciedade e fazendo que a pessoa coma menores quantidades na hora da refeição. Além disso, a absorção da glicose de forma lenta minimiza os picos de insulina, evitando a transformação do açúcar em gordura.

A maçã em pó também exerce um efeito benéfico em pessoas que sofrem com dores articulares. De acordo com a nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, o alimento é fonte de ácido málico, que age diretamente no sangue e nos tecidos, eliminando o “lixo” originado pelo metabolismo, responsável pela inflamação nas articulações. Outro ponto a favor é a presença de quercetina, que possui ação anti-inflamatória.

A pectina, encontrada na farinha de maçã e na de maracujá, contribui para a perda de peso.

No dia a dia

Sabendo escolher o tipo certo para a sua necessidade e sem fazer loucuras, como substituir refeições por um suco com uma colherada de algum alimento em pó, as farinhas podem (e devem) fazer parte do seu cardápio. Elas podem ser utilizadas em vitaminas, iogurtes, salada de frutas, musses e preparações como pães, bolos, tortas e biscoitos.

De forma geral, de 1 a 2 colheres das de sopa por dia são suficientes para complementar a alimentação e obter os benefícios. O ideal é intercalar o uso dos tipos de farinhas, para que não haja uma monotonia alimentar.

Mas atenção para o alerta de todas as profissionais que participaram desta matéria: quem aumenta a ingestão diária de fibras deve aumentar também o consumo de líquidos, caso contrário, o tiro sairá pela culatra e em vez de benefícios, você irá prejudicar a sua saúde.


Faça em casa

As farinhas de frutas podem ser feitas em casa. O modo de fazer é praticamente o mesmo, independentemente da fruta que você for utilizar. Siga o passo a passo!

Partes utilizadas

Açaí: caroço da fruta, sem a polpa
Maçã: a polpa, sem a casca
Banana-verde: polpa
Uva: a fruta inteira
Laranja-amarga: casca e bagaço

Lave bem as partes que forem aproveitadas com vinagre ou hipoclorito de sódio e depois enxágue para tirar os resíduos dos produtos. Corte em pedaços pequenos. Leve ao fogo baixo ou médio até que fiquem bem secos e sem umidade. Bata no liquidificador ou triturador até que vire um pó bem fino. Armazene em pote hermeticamente fechado e ao abrigo da luz e da umidade.

Fonte: Rosana Farah, docente adjunta do Curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo.

Farinha de laranja-amarga

O suco de laranja faz um enorme sucesso nos bares, restaurantes e lanchonetes. Além de saboroso, ele também é muito nutritivo. Mas será que desta forma você está aproveitando todos os benefícios da laranja? Infelizmente, não. Quando chupamos uma laranja ou tomamos o seu suco, desprezamos a casca e o bagaço, que contêm óleos essenciais e fibras, principalmente as do tipo solúvel. Coisa que não acontece quando consumimos a farinha, já que ela é feita com essas partes da fruta.

A farinha de laranja-amarga (Citrus aurantium) ficou famosa por ajudar a enxugar alguns quilinhos. O alimento possui um composto bioquímico chamado sinefrina, que aumenta o metabolismo e promove a quebra de gordura. “O composto é estimulante e acelera as reações do organismo, auxiliando no emagrecimento”, explica a nutróloga e médica ortomolecular Liliane Oppermann, de São Paulo.

Assim como a farinha de maçã, o alimento também possui a pectina, que aliada a uma alimentação equilibrada também contribui para o emagrecimento. Sendo assim, a docente adjunta do curso de nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Rosana Farah, explica que a farinha melhora o funcionamento intestinal e diminui as taxas de colesterol e o risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, pois “sequestra” o mau colesterol (LDL) das artérias e o elimina pelas fezes.

Farinha de maracujá

Facilmente encontrada em casas de produtos naturais, a farinha é proveniente da casca da fruta, onde estão depositadas boas quantidades de pectina (olha aqui de novo). Essa substância dificulta a absorção de gorduras, carboidratos e açúcar, diminuindo os riscos de diabete.

E os benefícios não param por aí. O nutriente também carrega, durante a digestão, parte do colesterol vindo de outros alimentos, facilitando a eliminação nas fezes. A melhor forma de consumo é misturar o alimento em sucos, vitaminas, iogurtes, frutas amassadas ou picadas. Dica: a farinha também pode ser ingerida sozinha, antes do almoço e do jantar, assim já estará pronta para captar as gorduras do que será consumido a seguir. E vale lembrar: a Food and Agriculture Organization (FAO), órgão das Nações Unidas, recomenda a ingestão moderada, ou seja, apenas 30 gramas diariamente. Em excesso, pode causar diarreia e até perda de nutrientes.

Escondidinho celestial

Em todos os eventos presenciais da Rede Social Zenitude, além das vivências para o espírito, também desfrutamos do prazer de saborear bons alimentos para o corpo. Nas caminhadas energéticas ou nas reuniões nos lares, temos o momento do piquenique ou do lanche solidário, onde cada um leva um prato. Duas únicas regras:  nada de alcool ou carne; e, antes do lanche, os alimentos devem ser abençoados por todos e recheados de graças ao bom Deus, por nos prover e dar o sustento. Frutas, sucos naturais e gostosas surpresas compõem o cardápio, regado a alegria e camaradagem.

Foi assim, de tanto experimentarmos gostosas surpresas, preparadas sempre com carinho pelos nossos membros, que surgiu a ideia desse espaço: compartilhar com nossos visitantes receitas que fizeram sucesso em nossos encontros. Convidamos vocês a também saborear. De preferência, chame os amigos e replique essa rede saborosa de carinho.

Na “estréia”, uma receita que pode ser servida na ceia de Natal. Um “escondidinho”  com carne de soja simplesmente divino.

Escondidinho celestial
Ingredientes:

 – 2 kg de batata inglesa descascada e ralada. Depois de ralar, lave bem e escorra, até soltar toda a água. Uma dica para ficar bem sequinha é enrolar em um pano seco e limpo e torcer, com bastante vigor.
– 1 cenoura grande (ou duas pequenas), ralada
– 3 colheres (sopa) de cheiro verde picadinho
– tempero,  sal e pimenta-do-reino (a gosto)
– 250 g de requeijão cremoso ou requeijão, ralado
– 300 g de queijo-meia cura ou queijo Canastra,  ralado
– 250 g de maionese
– 1 cebola grande, ralada
– 06 copos (300 ml) de carne de soja. Prepare-a com antecedência, da seguinte forma:
Colocar de molho, em uma vasilha, com 12 copos de água morna. Tampar e deixar por pelo menos 3 horas (preferencialmente de um dia para outro). Escorrer bem, espremendo, em uma peneira. Refogar, ligeiramente, com alho e molho Shoyo. Se quiser, acrescente palmito e azeitonas picadas, para dar um toque especial à carne de soja. Reservar.
– queijo parmesão ralado a gosto

Modo de Preparo:
1- Numa vasilha, coloque a batatas ralada e escorrida, a cenoura inglesa descascada, o cheiro verde , o tempero, o sal e a pimenta do reino. Misture e reserve.
 
2- Numa outra vasilha, coloque os queijos meia-cura e o requeijão, a maionese, a cebola ralada. Misture e reserve.

Montando o prato:
Em um refratário, vá fazendo camadas. Primeiro, espalhe bem METADE da mistura de batas com cenouras, metade da mistura de queijos, maionese e cebola, a carne de soja previamente preparada, a outra metade da mistura de batas com cenoura, a outra metade da mistura de queijos.
Finalmente, polvilhe queijo parmesão ralado a gosto. Leve ao forno pré-aquecido (200 a 250 graus), por 40 a 45 minutos.
Esta receita rende, aproximadamente, 12 a 15 porções.  Pode ser servida com uma salada fria.