Novo gibi quer estimular inclusão social da criança cadeirante

Crianças cadeirantes podem ter vida normal? A resposta é sim. E é isto que mostrará as histórias do recém-lançado gibi, Turma do Lukas – uma iniciativa do projeto “Uma Mãe Especial”, do casal Antonia e Fábio Yamashita,  e publicado pela editora Nilobook.

Antônia e Fábio são pais de Lucas, de 11 anos, que tem paralisia cerebral, e de Victor, de 6 anos. Desde o nascimento do primogênito – uma criança alegre, que frequenta a escola e cresce com toda a atenção e cuidados que merece –  se dedicam a divulgar, por meio de livros e palestras, que crianças deficientes podem – e devem – ser inseridas no convívio social.

Coube à Antonia, que é pedagoga, roteirizar o gibi, cujo objetivo é levar a crianças de até dez anos conhecimento sobre outras que usam cadeiras de rodas. “Alguns adultos, por falta de conhecimento, têm preconceito em relação a crianças cadeirantes. E esse preconceito, muitas vezes, acaba passando para as crianças. Por isso, queremos que elas saibam que, mesmo estando numa cadeira de rodas, as crianças são iguais”, afirma.

O gibi, editado pela Nilobook, tem periodicidade trimestral. Trará histórias divertidas, leves e lúdicas que mostram a criança cadeirante inserida no universo infantil de maneira natural. Com isso, busca também a identificação das crianças que usam cadeiras de rodas, que não são muito retratadas na ficção, com os personagens do gibi. “A ideia é estimular o contato e o convívio entre as crianças para que todos se acostumem à cadeira de rodas”, finaliza a pedagoga.

Sobre a Mãe Especial   A iniciativa de Antônia e Fábio Yamashita surgiu a partir da experiência de maternidade de Antônia. Aos 18 anos, ela deu à luz a Lucas, que nasceu prematuro extremo, com apenas 28 semanas e 880 gramas. O bebê sofreu com anoxia, hemorragia cerebral grau IV, hidrocefalia e meningite bacteriana. Após 3 meses de vida na UTI neonatal recebeu alta, mas o resultado dos problemas foi uma paralisia cerebral.

Antônia relatou a experiência dos cinco primeiros anos de vida de Lucas no livro “A trajetória de uma mãe especial” (editora Nilobook). Em 126 páginas, a obra reúne informações e oferece esperança e entusiasmo àqueles que estão passando pela mesma experiência de Antônia e Lucas. No livro, ela fala com naturalidade e emoção sobre os desafios da deficiência que atinge mais de 24 milhões de pessoas no Brasil.

Depois de lançar o livro, Antônia começou a levar e compartilhar suas experiências com outros educadores, mães e pais. Hoje, Antônia é pedagoga, palestrante, escritora e mãe, como gosta de frisar. Tem dois filhos: Lucas, 10 anos, e Victor, 6 anos.

Além do livro e do gibi, o “Mãe Especial” também lançou uma apostila de alfabetização para crianças com deficiência. O site www.umamaeespecial.com traz as experiências e a história de vida de Antônia e os desafios e as alegrias diárias de Lucas. Com suas palestras, passou por diversos estados brasileiros, levando suas experiências e trocando informações sobre a deficiência. O que Antônia e Fábio pretendem com o projeto é mostrar que a convivência natural e sem preconceito entre pessoas com e sem deficiência é possível. “Como se fossem totalmente iguais e ao mesmo tempo conscientes de que somos todos diferentes”, diz Antônia.

Related Posts with Thumbnails

Autor: Ney Mourão

Ney Mourão é jornalista e educador. Especialista em Educação a Distância. Poeta; autor do livro "Notas Dispersas pelas Paredes" (Editora Autêntica). Interessado em PESSOAS, tem formação em Terapias Holísticas (Reiki, Shiatsu, Reflexologia Podal, Florais de Bach, Aromaterapia). Em seus atendimentos, prefere dizer que acalenta almas para que estejam bem em seus corpos.

Um comentário em “Novo gibi quer estimular inclusão social da criança cadeirante”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *