Nossa Escolha, de Al Gore, ensina como salvar o mundo

capaalgore“Se você quiser ir rápido, vá sozinho. Se quiser ir longe, vá acompanhado.” Com esse provérbio africano, o ex vice-presidente americano Al Gore inicia as suas provocações, em seu novo livro, para que, juntos, possamos adotar atitudes para a salvação do planeta. “Nossa Escolha” (lançado no Brasil pela Editora Amarilys) é o resultado do aprendizado que Al Gore adquiriu em todos os encontros e debates que realizou. Trata-se de um guia para quem quer, de fato, colocar a mão na massa e fazer a sua parte.
Nós, da comunidade Zenitude, temos nos esforçado em difundir e adotar pequenas e cotidianas posturas que podem fazer a diferença. Se você tem boas ideias ou experiências concretas, compartilhe conosco.
 

 

Desde o primeiro livro (ele escreveu mais dois em seguida), Al Gore organizou 30 eventos que ele chama de “Solution Summits”, ou Encontros para Soluções, onde se reuniram especialistas mundiais nas área de agricultura, neurociência, economia, tecnologia de informação, entre outras, para discutir ações a serem aplicadas na questão do clima. “Our Choice” é o resultado do aprendizado que Gore adquiriu de todos estes encontros e debates: trata-se de um guia para quem quer, de fato, colocar a mão na massa e fazer sua parte. Gore acredita que a solução está em nossas mãos, ela é palpável e que, além das questões de aquecimento global, elas iriam tocar em outros problemas que se perpetuam por séculos: a fome, a pobreza extrema, crises de segurança e de economia. O ex vice-presidente acredita que para começar a resolver tudo isso, basta saber que não podemos depender ferrenhamente de combustíveis fósseis. Para ele, isso é um perigo.

No livro, ele apresenta alternativas para o combustível a base de carbono, como energia solar, nuclear, eólica, geotérmica e de biomassa. Ele defende com todas as forças que deveríamos colocar preço nas emissões de gás carbônico e outros poluentes do aquecimento global, como uma forma de medir o impacto que temos sobre o planeta. Ele ainda se aprofunda em assuntos como florestas e seqüestro de carbono e fala que o maior obstáculo para mudanças reais ainda é a nossa mentalidade. Ele diz que, sim, cada vez mais se fala sobre o assunto, mas que ainda não chegamos num ponto onde os governos se engajaram como deveriam, há um desnível entre a comunidade científica e a política e que dinheiro é gasto com campanhas que desinforma a população.

Gore reforça que a cada 24 horas nós (sim, eu e você incluídos) despejamos nove milhões de toneladas de poluentes no ar que circunda a Terra. Ele acha que, assim como aconteceu no movimento civil americano, as iniciativas mais significativas em relação ao aquecimento global deverão emergir dos movimentos populares, de baixo para cima – e não de líderes.

Ele lembra que vivemos numa sociedade de “gratificação instantânea”, voltados para os resultados de curto prazo, e portanto, mudar esta mentalidade, e fazer com que pensemos nas futuras gerações é um dos maiores desafios. E nos recorda, no entanto, que o ser humano é capaz de pensar e de agir em longos prazos: basta ver como foram construídas as grandes catedrais européias, ao longo de gerações; ou mesmo campanhas de longuíssimo prazo, como a do anti-fumo e a do uso do cinto-de-segurança , que no começo enfrentaram resistência, mas depois de anos e persistência, conseguiram mudar comportamentos. O cuidado com a Terra também terá de ser um aprendizado. “Nossa obrigação é moral”, diz ele.

Related Posts with Thumbnails

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *