Impressões de uma jornada

 

– Sobre o I Encontro “Celebrando a Energia da Vida”, No Instituto Renascer da Consciência, nos dias 20 a 22 de novembro de 2009 –

(Ney Mourão)

Encontro "Celebrando a Energia da Vida": trilhando caminhos de aprendizado!
Encontro "Celebrando a Energia da Vida": trilhando caminhos de aprendizado!

Escrever sobre determinados momentos é como quando nos colocamos a mostrar fotos para alguém e, meio aflitos, ao seu lado, tentamos improvisar uma legenda imediata e ansiosa, sôfregos por transmitir a emoção e as sensações que sentimos, quando estávamos lá, naquele lugar, imersos naquela paisagem, agora estática e sem vida, da foto mostrada.


Escrever sobre determinadas circunstâncias é carregar o sofrimento do escultor, que traz em sua alma a vibração da forma, mas que sabe, lá no fundo, que suas mãos serão incapazes de materializar, com toda a definição e nitidez, a embriaguez de seu delírio.

Eis que me arrisco a contar sobre um Encontro. Um Encontro de corpos, mas, mais que isso, um Encontro de almas. Aconteceu em novembro de 2009. E parece que ainda acontece e acontecerá por muitas existências, na vida de cada um.

Quando lá chegamos, não podíamos imaginar que tudo seria tão forte. Logo no início, um ritual de lava-pés. E um passeio consigo mesmo em um labirinto, descalços, embalados pelo cantar dos seres da noite. Com os pés ainda úmidos, e o coração inundado de perguntas. Como fazer apenas UMA ao labirinto? Com os pés ainda úmidos do lava-pés que nos lavou e começou a nos despir na água, logo na entrada. E a água tépida, que imaginávamos gelada, aqueceu nossos corações para um jantar cheio de significado, bênçãos e gratidão. Sem carne, para aquietarmos o espírito. Sem grandes ruídos, para ouvirmos as nossas vozes internas e as vozes dos irmãos mais próximos.

Depois, a construção de uma mandala. Para surpresa do facilitador, tal como aves, instintivamente, recusamo-nos a construí-la no chão. Indícios iniciais de que iríamos voar! Muito amarelo, muito azul, muito verde, muito cuidado e muita simetria, tudo guardado, tudo simbolizando acolhimento e carinho. Que noite! Que primeira noite! E eis que nos surpreendemos de novo: não houve fotos! Seria pouco, para registrar os sentimentos… Ainda não inventaram nada que fotografe nossas almas em chamas.


Antes do recolhimento, um ritual. Uma escolha: a figura geométrica que, sob a luz das estrelas, mais lhe atraísse, em um jardim de formas. Círculos, quadrados, pentagramas, hexagramas, pirâmides… Tudo pequeno e ao mesmo tempo tão vasto, para a grandeza dos questionamentos humanos. Para onde? De onde? Como caminhar? Perguntas para embalar nossos sonos e sonhos. No dia seguinte, um dia lindo a nos esperar!

Um dia que amanhece com o canto de um pavão? Ora, ora! Já devíamos prever que a noite anterior era apenas um aroma, perto dos mil sabores do dia. Um desjejum especial, com melado e raízes e frutas e sucos e ervas e chás… E boas companhias ao redor. Outros grupos, outras formações, outras buscas. Outras vontades de caminhar. Mulheres bonitas – e o que mais? Bonitas, alegres, radiantes… Um grupo que dividiu conosco o espaço e a vontade de compartilhar…

E, falando em caminhar e compartilhar, lá fomos! Um lugar chamado Reino das Pedras! Para quebrar a dureza de nossos corações, tornar-nos mais flexíveis para a auto-compreensão. Um caminho mágico e em silêncio. Mais vozes internas. Mais intuições e sussurros ao ouvido. Das alturas, uma pena de águia que caiu. Um presente, marco simbólico para o Encontro! Choros de emoção, primeiros compromissos de renovação. Renascimentos… Nascimentos… Renovações…

Mas era necessário continuar caminhando. Pelo caminho por onde um dia os ancestrais foram levados. E pelas trilhas do sincretismo e do ecumenismo. Raízes africanas, orientais, hindus. Memórias atávicas de atabaques vigorosos e sons memoriais de templos budistas e cheiros de incenso. Tudo em um mesmo cadinho efervescente e visceral. Houve gente que se incomodou. Houve quem se desacomodou. Houve quem cantasse uma música linda – desconhecida naquele momento até mesmo para ela. Houve quem pensasse que queria não sentir a vontade de estar sentindo. Houve quem visse borboletas azuis a guiar o caminho e quem visse reflexos dourados na água, a revelar presenças. Mas não houve indiferença – já que essa, ao contrário do ódio, é o oposto do amor que nos embalou em todos os momentos. Que manhã inesquecível!

Depois do almoço, novamente abençoado, um momento para resgatar a criança esquecida. Trilha de pipocas. E uma certa irreverência no ar.  Difícil juntar todos. Cada um brincando de esconde-esconde. Uma confusão que acabou por nos mostrar que precisamos, sim, de momentos em que nos deixemos ser levados pelo moleque descalço ou pela menina de trancinhas que ainda estão ali, em algum lugar da nossa alma, adormecidos, esperando pra brincar. Que bom, exercitar responsabilidade com alegria. “Tenhamos a responsabilidade do adulto, sem deixar morrer a alegria da criança que habita em cada um”. O recado veio certeiro, sabe-se lá de que parque florido das alturas! Mas chegou aos ouvidos com a força de uma canção resgatada da infância! Que tarde!

Grupo Meu Cantar (ao fundo) e participantes do I Encontro "Celebrando a Energia da Vida"
Grupo Meu Cantar (ao fundo) e participantes do I Encontro "Celebrando a Energia da Vida"

Mas ainda havia muito a se emocionar. E, numa noite tão linda, fomos embalados por um quarteto de vozes pra lá de especial. Quem ensaia o Grupo “Meu Cantar”? Serão os anjos, na certa! Ou, quem sabe, as estrelas e o luar… Ou, quem sabe, ainda, aprenderam com o canto do pavão que, ao fundo, fazia coro com eles. Vozes repletas de tudo. Um cantar de celebração da vida! Meu cantar, nosso cantar, o cantar de todos!


O local tem um nome emblemático: Renascer da Consciência. Tais como Fênix, lá estávamos, à noite também, ateando fogo em nossas asas e emoções, para renascer das cinzas. Em dado momento, literalmente, quando escrevemos em nossos papéis as mágoas, os rancores e propusemo-nos a deixar que se esvaíssem sob as chamas de uma fogueira sob uma linda lua a nos iluminar. E quão foi difícil acender a fogueira! Parecia que ela queria nos dizer como é difícil, mesmo, livrarmo-nos assim, do que é mal, para recebermos o bem de alma lavada – e aquecida! Mas teimamos! Tinhosos da vontade de sairmos melhor. E assim foi. Mesmo difícil, as labaredas subiram aos céus, levando ao firmamento nosso propósito. Ao dormirmos, deixamos ali, queimando, um pouco do que tínhamos sido. E, com certeza, o pouco que deveria mesmo ter deixado lá, a arder. Que noite!

"Biodançando" e celebrando!
"Biodançando" e celebrando!

E eis que chegamos ao último dia. Último? Talvez melhor dizer… a véspera do primeiro de dias diferentes a se descortinarem. Pela manhã, após o desjejum que já deixava saudades e da meditação cheia de magia, dançamos a vida! Bio-DANÇA! Gestos para expressar a alma. Alma expressa em cada movimento. Sentimentos aflorados, durante e depois. Choros contidos há décadas. Novos compromissos. Anseios. Novos rumores interiores e silêncios. Depois, o abraço energético aos que não foram, aos que estavam em espírito, aos que poderiam e deveriam estar… A você, que agora lê e não foi. Ao planeta inteiro. Energia real, pulsante, acessando o poder que temos latente e que, agora, cremos possuir! Que manhã!


Antes da despedida, um passeio até a cachoeira. Guardados por energias santificadas, ruídos da natureza, aromas, flores… Novos compromissos e enfrentamentos de medos. Alguém que deixou para trás o receio de mergulhar em si mesma… Alguém que descobriu-se imerso em carinho e proteção.

Na despedida, compromissos concretos. Posturas, atitudes e ações individuais e coletivas por um mundo melhor. Uma roda de diálogo, para um abraço inesquecível. Uma vontade de ficar. Poucas fotos, porque os dedos foram mais lentos que a alma, para registrar. Uma pena de águia, que viajará pelo mundo, como se ainda pertencesse a asas que vivem e pulsam.


E uma pedra fundamental, para se lembrar.

Uma pedra, para lembrar? Mas… como esquecer?

(A você, que não esteve conosco nesse Encontro, o desejo de que nossa energia tenha lhe alcançado, de alguma forma. E o convite para que entre nesse abraço de elos apertados, onde sempre haverá um lugar reservado… Esperamos por você, nos próximos encontros!)

Ney Mourão

Estudo britânico confirma propriedade analgésica de hortelã brasileira

(Fonte: BBC – Brasil)

hortelabravaUma xícara de chá de um tipo de hortelã tem propriedades analgésicas equivalentes às de alguns remédios vendidos comercialmente, concluiu um estudo feito na Grã-Bretanha por uma pesquisadora brasileira.

Há séculos, a erva Hyptis crenata, conhecida como hortelã-brava e salva-de-marajó, vem sendo utilizada na medicina popular no Brasil para tratar desde dores de cabeça e estômago até febre e gripe.

Liderada pela brasileira Graciela Rocha, a equipe da Universidade de Newcastle, no nordeste da Inglaterra, fez estudos com ratos e provou que a prática popular tem base científica. O estudo foi publicado na revista científica Acta Horticulturae.

Graciela Rocha está apresentando seu trabalho no International Symposium on Medicinal and Nutraceutical Plants em Nova Déli, na Índia.


Tradição
De forma a reproduzir os efeitos do tratamento da maneira mais precisa possível, a equipe fez uma pesquisa no Brasil para descobrir como a erva é preparada tradicionalmente e que quantidades devem ser ingeridas.

O método mais comum de uso é ferver a folha seca em água durante 30 minutos e deixar que o líquido esfrie entes de bebê-lo. Os pesquisadores descobriram que quando a erva é ingerida em doses similares às indicadas na medicina popular, ela é tão efetiva em aliviar a dor como uma droga sintética, do tipo aspirina, chamada indometacina. A equipe pretende agora iniciar testes clínicos para descobrir quão efetiva a erva é no alívio da dor em humanos.

“Desde que os homens começaram a andar na Terra, temos procurado plantas para curar nossas aflições”, disse Graciela Rocha. “Na verdade, calcula-se que mais de 50 mil plantas sejam usadas no mundo com fins medicinais. Além disso, mais de a metade de todos os remédios vendidos com receita são baseados em uma molécula que ocorre naturalmente em alguma planta”.

“O que fizemos foi pegar uma planta que é amplamente usada para tratar a dor com segurança e provar cientificamente que ela funciona tão bem como algumas drogas sintéticas”, disse Rocha. “O próximo passo é descobrir como e por que a planta funciona”.

Sabor da Infância
Graciela disse que se lembra de ter tomado o chá como cura para todas as doenças da sua infância. Ela disse: “O sabor não é o que a maioria das pessoas na Grã-Bretanha reconheceriam como hortelã”.

“Na verdade, ela tem um gosto mais parecido com o da sálvia, que é uma outra erva da família das mentas”. “Não é muito gostoso, mas remédios não tem de ser gostosos, não é?”

A presidente da Chronic Pain Policy Coalition, entidade britânica que trabalha para combater a dor crônica, disse que a pesquisa é interessante. “São necessários mais estudos para identificar a molécula envolvida, mas este é um estudo interessante sobre um possível novo analgésico para o futuro”, disse Beverly Collett.

“Os efeitos de substâncias semelhantes à aspirina são conhecidos desde que os gregos, na Antiguidade, relataram o uso da casca do salgueiro para cortar a febre”.

O despertar de um coração – Uma fábula cheia de encantamento e energia

Durante o I Encontro “Celebrando a Energia da Vida”, realizado em Minas Gerais, no Instituto Renascer da Consciência, nos dias 20 a 22 de novembro, houve intensos momentos de emoção, que não se restringiram apenas aos dias do Encontro. Nos dias seguintes, os participantes continuaram “inebriados” pela energia boa, imersos na vontade de continuidade de busca da paz, do equilíbrio e da harmonia anterior.

No Encontro, em uma das vivências, cada participante atribuiu-se uma característica, um apelido carinhoso para ser reconhecido pelos demais.  Assim que retornou às suas atividades, Andréa Binder, uma das participantes, intuída pelo “astral” dos dias de reunião, redigiu esta bela fábula, abordando a necessidade da serenidade e do bem-estar pessoal. No texto, ela utilizou as características de cada um dos participantes.

Mesmo para quem não esteve por lá, vale o encantamento da leitura. Deliciem-se com esse presente. E fiquem à vontade para comentar, compartilhar, estabelecer novos “elos”.

Ana amiga
Andréa adora dar BOM DIA!
Carlinhos centrado
Lino lindo
Márcia maravilhosa
Mônica meiga
Najara navio
Ney normal
Reginaldo renovador
Rita reta
Roberto roncador
Rosângela rocha
Simone sorriso

O despertar de um coração

despertarBOM DIA!!!!

Era uma vez uma meiga garota que estava descobrindo o amor. Ela olhava as flores, o campo verdejante, o sol, as estrelas, a lua… Em tudo ela via o amor. E cada vez que ela pensava nas maravilhas da natureza abria um maravilhoso sorriso. E ia distribuindo essa felicidade para todos que encontrava. Num belo dia de sol, saindo pelos campos a cantarolar se depara com um ruído diferente. Aguça os ouvidos para localizar de onde vinha som tão estranho até que, após a revoada de uns pássaros localizou tal barulho. Foi se aproximando devagarzinho, pé ante pé e se deparou com um lindo jovem deitado sobre a relva. Seu sono era tão profundo que chegava a emitir um estranho som de sua boca. A doce menina nunca tinha ouvido nada igual. Começou a se questionar e chamou seus amiguinhos esquilos, que se encontravam próximos para que a ajudassem.
– O que é isso que esse lindo moço está fazendo?
– Minha doce e meiga amiga, os humanos, quando adormecidos como ele está costumam emitir esse som… não sabemos bem porque isso ocorre mas sabemos que eles adquirem um nome.
– Que nome?
Roncador… não sei o motivo nem o que significa, mas como quase todos fazem isso, acho que é normal…
– Fato revelador esse meus amiguinhos…

Enquanto conversavam o “roncador” continuava a tocar sua sinfonia…
Mas a linda menininha, não satisfeita com tudo isso começou a olhar ternamente para o lindo jovem até que ele despertou.
Ao abrir os olhos, assustados com a menina e os esquilos a observá-lo, sentou-se rapidamente.

– Bom dia, lindo moço roncador!
– Bom dia!!! Mas porque roncador?
– Achei que esse fosse seu nome…
– Não… mas porque roncador?

A menininha, sorrindo, explicou a ele tudo o que se passou e ele, abrindo um largo sorriso ficou feliz por estar diante de inocentes vidas.

– Quem é você, lindo jovem?
– Sou um viajante, que cansado de tanto caminhar por essas estradas, acabei deitando-me nessa relva macia e confortante para descansar meu corpo, que apesar de novo, trás as marcas de uma vida com muitos embates. Estou à procura de uma estrada, mas não a acho. Já rodei, subi em árvores, escalei montanhas, até uma rocha tentei transpor mas não consigo ver onde se encontra essa estrada.
– Que estrada você procura?
– A estrada do amor… Disseram-me que ela é reta, tranqüila, serena e que se movimenta como um navio em mar calmo diante dos corações puros. Mas não a acho em nenhum lugar… Você conhece essa estrada?
– Claro, meu amiguinho!! Ela está tão próxima de você… E é maravilhosa!!
– Onde? Olho em todas as direções e não a vejo…
– Você tem certeza que olhou em todas as direções?
– Sim… Acho que sim…
– Então mude a forme de lançar esse olhar. Coloque o colírio da simplicidade, os óculos da benevolência, use a luneta da compaixão e seus olhos se revestirão com a luz da inocência.

O jovem moço, seguindo a orientação da meiga criatura que se encontrava a seu lado, sob o olhar atento dos esquilos e de outros animaizinhos que se aproximaram, pingou o colírio, colocou os óculos e fez uso da luneta que a menina oferecia. Ao abrir novamente os olhos, sentindo uma sensação nunca antes imaginada, começou a chorar. A cada lágrima derramada seu olhar ficava mais claro, mais límpido, mais leve. O verde era mais verde, o azul era mais azul, a natureza tinha o aroma e a cor da VIDA!

– Meu Deus, que coisa mais linda!!! Esse colírio é mágico, renovador?
– Não… Ele é normal… Como você também o é… Ele é o mais simples dos colírios existentes no universo. Ele é o colírio da transparência e da aceitação. Você, ao usá-lo com o coração aberto, vê as coisas como são e as aceita, vendo nelas a beleza e não a crítica. Você acaba ficando centrado no que realmente importa, ou seja, nas coisas naturais, na beleza inocente e na responsabilidade de saber como lidar com tudo isso. Observe a natureza… Não há nenhuma flor igual à outra e nem por isso uma é mais ou menos importante do que a outra. Todas têm o mesmo valor para o Pai Criador. Todos somos iguais perante Ele. Não existem preferências…

Diante de tão simples e sábias palavras, esse andarilho mais uma vez se pôs a chorar. Gentil e carinhosamente, a linda criança o deitou em seu colo e sua cabeça começou a afagar… As horas se passaram e o jovem nem percebeu… Não havia mais nele a pressa que tanto o deixava afoito, a impaciência que o incomodava, a negligência que o arremetia a estradas inequívocas… Ele estava sereno, tranqüilo, sabedor de seu espaço e do que esse espaço significava. Sabia agora de suas responsabilidades diante da VIDA, da sua e da de outros, pois também compreendia que ninguém no mundo está isolado. Somos todos elos de uma grande corrente e necessitamos uns dos outros para dar força a essa corrente.

– Então é essa a estrada… Tão perto e deixei que ficasse tão longe…
– Mas agora ela está à sua frente. Depende só de você saber quais bifurcações pegar ou desviar. Siga sempre seu coração, mas não deixe que a razão se esvaia… Use sempre com equilíbrio os sentidos que o Pai te deu. O discernimento é seu mestre e o coração seu guia. Um necessita sempre do outro… Não os deixe sozinhos, a deriva…
– Obrigado, pequena criança, por tamanha ajuda. Não sei o que faria sem você.
– Foi você o responsável por tudo isso. Você estava pronto para receber mais essa lição. Agora vá e como bom aluno coloque esses ensinamentos em prática nas provas que se fizerem necessárias. Você só toma “bomba” se quiser. O ensinamento você já tem. Use-o com sabedoria. Vá em paz e que os passos do Mestre te guiem por essas estradas, mesmo se curvas se fizerem presente. Paz em seu coração…
– Que assim seja…

(Andréa Alves Binder é pós-graduada em História, terapeuta holística, atuando com Shiatsu, Drenagem Linfática, Anti-stress, Florais e Calatonia. Contatos: deabinder@gmail.com)

Americanos apontam que emagrecer pode ser mais fácil com Florais de Bach

Aliados, os florais Crab Apple, Cherry Plum e Chestnut Bud compõem uma fórmula que ajuda na aceitação das imperfeições, no controle dos ataques à geladeira e no aprendizado do que é ou não bom para sua dieta. O produto já é sucesso no mercado americano.
 
 
floraisTodo mundo conhece a fórmula do emagrecimento: dieta balanceada aliada à queima calórica por meio de exercícios físicos. Porém, também se sabe que aspectos emocionais contribuem para o sucesso ou o fracasso de uma dieta. Como em tudo, as emoções afetam a ansiedade e outros sentimentos que nos levam, muitas vezes, a nos refugiar na comida. Portanto, para que se obtenham resultados positivos no processo de emagrecimento, é preciso também encontrar o equilíbrio emocional, explica Maria Aparecida das Neves, terapeuta floral e especialista em transtornos alimentares.
 
Para quem quer atacar o problema por todos os lados, uma boa indicação são os Florais de Bach Originais. As essências florais não são medicamento, mas sim elementos capazes de agir sobre as emoções e sentimentos que nos levam a transtornos, doenças, culpas e muitos outros males. Por serem naturais, os Florais de Bach Originais não têm contra-indicação, podendo ser aplicados a pessoas de todas as faixas etárias, mesmo aquelas que apresentam problemas físicos.
 
Os três florais estão sendo comercializados, nos Estados Unidos, em uma única caixa, chamada de ‘Eating Kit’, um sucesso absoluto de vendas (veja em: http://www.nelsonshomeopathy.com/shop-online/Bach-Emotional-Eating-Kit_prod1763.aspx), tornando-se uma a mais nova “febre” entre os que buscam emagrecer sem riscos à saúde e sem grandes esforços.
 
No Brasil, os florais são vendidos separadamente, mas os três frascos formam exatamente o mesmo produto. A ação de cada um dos componentes da fórmula pode ser assim definida:
Crab Apple – Trata-se de um floral indicado para a auto-aceitação. Quando a pessoa tem problema em aceitar-se, podendo desenvolver repugnância por sua aparência se acha visualmente desagradável, sentem-se sujos, impuros, perde a auto-estima por não aceitar suas imperfeições, dificilmente encontra forças para mudar. É aí que o Crab Apple e’ conhecido como o floral da limpeza, ela ajuda a limpar qualquer que seja o aspecto – físico ou mental, já que ajuda no processo de aceitação de suas imperfeições.
 
Cherry Plum – Quando você sente medo de perder o controle e causar danos a voce mesmo, que perdeu o controle de sua dieta, ao simples fato de ser contrariada, vai para a compensação. Cherry Plum o ajuda a pensar e agir racionalmente. É a típica cena: você sabe que um pedaço de pizza tem o mesmo gosto que a terceira ou quarta fatia. E sabe que não precisa de uma grande quantidade de alimento. Porém, algo o faz atacar o prato, totalmente sem controle. O Cherry Plum  pode ser considerado um tônico para a razão, que permite retomar o controle sobre seus pensamentos e ações, ajudando-o a entender o processo de emagrecimento e a agir em prol de sua dieta.
 
Chestnut Bud – Para completar o Eating Kit, o Chestnut Bud vem ajudá-lo a não repetir os mesmos erros. Há pessoas que vivem em dieta eternamente. Dieta da lua, da proteína, dos pontos, há quem conheça cada uma delas detalhadamente. Elas já sabem como se alimentar corretamente e como escapar das armadilhas alimentares, parecem não aprender com suas experiências, sempre cometem os mesmos erros. Compras exageradas de itens que devem ficar fora da dieta, abuso de álcool e sobremesas, vontade de faltar na academia… Seja como for, acabam repetindo os mesmos erros – e que o leva cada vez mais distante do seu objetivo – o Chestnut Bud o auxiliará a não repetir as mesmas falhas,ajudando a seguir adiante e alcançar um nível de vida melhor.
 
É importante ressaltar que os Florais de Bach originais não substituem a dieta, os exercícios físicos ou mesmo os medicamentos (quando receitados por médicos), mas complementam o tratamento, atuando diretamente nas emoções.
 
O composto dos florais Crab Apple, Cherry Plum e Chestnut Bud pode ser preparado em uma farmácia de manipulação de sua confiança ou você pode adquirir os três florais separadamente e ministrá-los conforme a orientação de um terapeuta floral.

Os Florais de Bach
 
O médico inglês Edward Bach, na década de 30, descobriu um sistema universal de cura: os chamados Florais de Bach. A cura, neste caso, não era física, mas sim emocional, afinal, para ele a desordem dos sentimentos e emoções se refletia em malefícios no corpo – uma constatação, atualmente, muito fácil de entender.
 
Os Florais de Bach são 38 essências feitas a partir de plantas e florais, ‘gotinhas’ que ajudam as pessoas a administrar as pressões emocionais do dia-a-dia e as que surgem motivadas por alguma situação específica – perdas, traumas, etc. Com as emoções em ordem, é possível ter um corpo saudável, livre de qualquer mal.
 
Bach identificou 38 estados negativos da mente como medo, incerteza, solidão e desalento, entre outros. Para cada estado de ânimo ele encontrou uma planta e criou uma essência floral para tratá-lo.
 
A chave para receitar as essências é justamente reconhecer como a pessoa está se sentindo e verificar qual essência corresponde com o estado de espírito descrito. É o passo mais importante para equilibrar as emoções. São muitos os relatos de pacientes que, ao tomarem floral, conseguiram controlar seus sentimentos e passaram a aproveitar melhor a vida.
 
O sistema criado por Bach tem ainda outras vantagens: é totalmente natural, não é algo caro e não têm contra-indicação. Esta forma de tratamento tem sido utilizada, cada vez mais, por terapeutas e pessoas comuns que buscam o equilíbrio com a ajuda de métodos naturais.

(Caso deseje agendar uma consulta ou obter mais informações sobre a terapia floral, entre em contato com zenitude@neymourao.com.br ou pelo telefone: 31 3421-8102)

Livro mostra como potencializar os sentimentos positivos e neutralizar os negativos

Bons livros fazem bem à alma! Quando o assunto é potencializar o lado positivo de todos nós, melhor ainda! Aqui vai uma dica preciosa, para estar ao lado de nossa cabeceira. Se alguém fizer a leitura, vale “passar por aqui”, depois e comentar!

E não se esqueçam de trazer outras contribuições, sugestões de leituras, tudo que possa trazer bem-estar para esta “comum-unidade”!

capaPara os alemães Bärbel e Manfred Mohr, os sentimentos e pensamentos são catalisadores para a compreensão e modificação das estruturas de nossas vidas. Com eles alinhados e coordenados, é possível produzir a energia necessária para a realização dos desejos e projetos. Conhecidos internacionalmente, os estudos desses autores agora estão acessíveis ao público brasileiro, com Sabedoria do coração, lançamento da Editora Vida & Consciência, em que analisam profundamente o fenômeno das emoções, ensinando a potencializar os sentimentos positivos e a transformar os negativos em confiança e auto-estima.

De acordo com os autores, estamos vivendo a Nova Era do Sentimento em que as sensações e emoções passam a ser valorizadas. “Sentimentos são cada vez mais atraentes. O homem está a caminho de sua aproximação com eles”, escrevem.

A obra divide-se em quatro partes. A primeira aborda a interação entre razão e emoção. Na segunda, discute como a supremacia do racional levou a uma ruptura com lado emocional, mas que agora estamos vivendo uma Nova Era do Sentimento, em que os critérios emocionais passam a ser relevantes. Na terceira parte, os autores apresentam exemplos reais e concretos de empreendimentos bem sucedidos. Para finalizar, há um exercício de meditação, que auxilia o leitor a lidar com as próprias emoções.

Aprofundando o conhecimento acerca dos sentimentos e estimulando as pessoas a experimentarem tudo no “âmago de seus seres”, Sabedoria do coração ajuda a refinar a percepção de si mesmo e a lidar de forma positiva com o mundo exterior, transformando até mesmo o que é negativo em molas propulsoras para a felicidade e autocontrole do próprio destino.

Sobre os autores – Bärbel e Manfred Mohr são alemães, casados e artistas. Ele é pintor, artista digital e músico de jazz. Ela é fotógrafa, pintora, designer e produtora de vídeo. Ao lado da carreira artística, dedicam-se ao estudo dos efeitos dos sentimentos e do Universo sobre a realização humana. Com 15 livros publicados e traduzidos para 14 idiomas, fazem palestras e workshops em vários países da Europa e nos Estados Unidos. Vivem atualmente em Munique, na Alemanha.

Menino cria site que só mostra notícias boas

Obaaaaaa! A ideia de “notícias boas” pode virar um vírus bom. Nós, do Zenitude, apostamos que é uma postura das mais positivas. Quem dera isso se espalhasse, diminuindo o baixo astral reinante da mídia, o gosto sádico das pessoas pelas notícias ruins, o cheiro de sangue que fica nas nossas salas, quando assistimos aos noticiários. Que venham outras iniciativas como essa. Nós apoiamos e assinamos embaixo.

******************

Um menino norte-americano parece ter a solução para quem acredita que as notícias são muito deprimentes: aos 12 anos, ele criou um site especializado em tudo de bom que acontece no mundo.

Entre os deveres da escola e lições de violoncelo, Max Jones, de Orlando (Flórida) criou um “império televisivo online” que só transmite boas notícias.

O site Weekend News Today (www.hnheadlines.com), do qual Jones é o apresentador principal, recebe 5 mil visitas diárias e conseguiu atrair colaboradores adolescentes de todo o mundo para enviar textos e vídeos.

“Realmente creio que uma pessoa pode fazer a diferença no mundo, apenas pouco a pouco”, disse à agência France Presse o jovem empreendedor, que sonha presidir uma cadeia de 15 sites algum dia.

Max quer ser jornalista e aposta na internet porque acredita que eventualmente os diários vão ceder aos meios online, e ele busca um papel de liderança nessa transição.

Em dezembro de 2008 converteu seu armário em um estúdio de televisão onde passa cinco horas por semana – e ainda mais tempo no verão – escrevendo artigos, editoriais, gravando vídeos, conseguindo mais colaboradores e se associando em diferentes sites.

“Vou dormir por volta das 21h”, contou. “Mas se tenho muita lição de casa, deixo a web de lado porque a escola deve ser prioridade”.

Max, que também está tendo aulas de jornalismo online, encontrou muitos colaboradores em sites de classificados, como o popular Craigslist, e de estágios, como o www.internship.com.

Seu site Weekend News Today quase não tem publicidade e não tem fins lucrativos, mas gera alguma renda ao vender conteúdos em uma loja online que oferece artigos e fotos.

Max, que grava seus vídeos em casa e no laboratório de computação da escola Lake Highland Preparatory School, onde vai cursar agora o sétimo ano, tem a tenacidade de um jornalista experiente.

Após a renúncia da governadora do Alaska, Sarah Palin, ele escreveu: “É isto um colapso da meia idade para Sarah?” Ele solicitou uma entrevista na secretaria de imprensa dos republicanos, mas ela não foi concedida.

Max teve mais sorte com o autor de um livro sobre a Coreia do Norte, a quem localizou depois do sequestro das jornalistas americanas Laura Ling e Euna Lee perto da fronteira chinesa.

Assim, teve um papel ativo na luta pela libertação das jornalistas, e quando isso finalmente aconteceu depois da mediação histórica do ex-presidente Bill Clinton, Max recebeu uma ligação telefônica de agradecimento da própria Ling.

Lillian Wu, 18 anos, começou a escrever no Weekend News Today depois de entrar em contato com Max no Facebook. Wu, que começará a universidade este ano, disse que Max tem sido uma inspiração para ela.

“É um garoto muito jovem que está aí para mudar o mundo”, disse ela à agência France Presse. “Para muitos adultos isso não importa, ou eles são indiferentes. Mas ele está fazendo sua voz ser ouvida, e tem apenas 12 anos”.

Fonte: Terra Colombia

Bem-vindo ao Espaço Zenitude!

Aqui você é convidado ao bem-estar físico, emocional, mental e espiritual. Pretendemos formar uma comunidade universal e universalizante, sem fronteiras de crenças, ideologias ou conceitos pré-concebidos. Nessa corrente, os elos humanos são ilimitados e será um grande prazer ter você como membro dessa teia de energia.


serenidade

Aqui você é convidado ao bem-estar físico, emocional, mental e espiritual. Pretendemos formar uma comunidade universal e universalizante, sem fronteiras de crenças, ideologias ou conceitos pré-concebidos. Nessa corrente, os elos humanos são ilimitados e será um grande prazer ter você como membro dessa teia de energia.

Participe! Opine! Envie textos para que possamos compartilhar suas ideias com outros seres viventes! Envie sugestões de assuntos e de notícias relacionados aos temas desse espaço! Torne-se “elo”!