Crianças criadas com afeto têm hipocampo maior, revela estudo

Sim!!! A Rede Zenitude sabe e pratica o “valor” da afetividade, em todos os momentos. Mas nada melhor do que o reconhecimento científico! Vejam, que dados interessantes sobre a afetividade na fase infantil e as consequências positivas para toda a vida…

As crianças criadas com afeto têm o hipocampo – área do cérebro encarregada da memória – quase 10% maior que as demais, revela um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (“PNAS”).
A pesquisa, realizada por psiquiatras e neurocientistas da Universidade Washington de Saint Louis, “sugere um claro vínculo entre a criação e o tamanho do hipocampo”, explica a professora de psiquiatria infantil Joan L. Luby, uma das autoras.
Para o estudo, os especialistas analisaram imagens cerebrais de crianças com idades entre 7 e 10 anos que, quando tinham entre 3 e 6 anos, foram observados em interação com algum de seus pais, quase sempre com a mãe.
Foram analisadas imagens do cérebro de 92 dessas crianças, algumas mentalmente saudáveis e outras com sintomas de depressão. As crianças saudáveis e criadas com afeto tinham o hipocampo quase 10% maior que as demais. “Ter um hipocampo quase 10% maior é uma evidência concreta do poderoso efeito da criação”, ressalta Luby.
A professora defende que os pais criem os filhos com amor e cuidado, pois, segundo ela, isso “claramente tem um impacto muito grande no desenvolvimento posterior”.
Durante anos, muitas pesquisas enfatizaram a importância da criação, mas quase sempre focadas em fatores psicossociais e no rendimento escolar. O trabalho publicado nesta segunda-feira, no entanto, “é o primeiro que realmente mostra uma mudança anatômica no cérebro”, destaca Luby.
Embora em 95% dos casos estudados as mães biológicas tenham participado do estudo, os pesquisadores indicam que o efeito no cérebro é o mesmo se o responsável pelos cuidados da criança é o pai, os pais adotivos ou os avós.

 Fonte: Efe

Especialistas afirmam que cantar facilita aprendizado escolar

Os membros da Rede Zenitude gostam tanto de música que um dos seus módulos de formação vivencial, realizado em novembro de 2010, teve como tema a energia da música. Foram bons momentos, onde aprendemos e vibramos sob a frequência do bem-estar proporcionado pela música, com direito até a um almoço, no velho estilo dos musicais de Hollywwod, onde não era permitido falar, apenas cantar – vivência que garantiu boas risadas e um afago para a alma. Agora, vejam o que a publicação alemã Deutsche Welle trouxe em suas páginas, na edição de 21/01/2011.
 

Pesquisas comprovam que cantar nas escolas aumenta desempenho dos alunos

Não importa se desafinado ou não, quem canta também fica menos doente, garantem especialistas.

No jardim de infância franco-alemão da cidade de Wuppertal, cantar faz parte do dia-a-dia das crianças, assim como brincar, pintar ou fazer um lanche. Alguns rituais na escolinha são repetidos a cada dia, sempre com acompanhamento musical. “Cantamos em francês. Assim as crianças aprendem o idioma brincando e adquirem um feeling para a pronúncia correta”, conta a educadora Françoise Ruel.

Mas acima de tudo elas têm prazer em cantar, já que esta é uma atividade aliada ao movimento e ao lúdico, acentua a francesa. Junto com outra educadora, também proveniente da França, Ruel é responsável, no jardim de infância, pelo ensinamento do idioma estrangeiro. Com as outras quatro educadoras da instituição, os pequenos falam – e cantam – em alemão.

“Para o desenvolvimento em termos da língua, cantar tem uma grande importância, pois incentiva a capacidade de expressão”, observa Heike Holland, diretora da escola infantil franco-alemã. Além disso, diz ela, com o canto treina-se a memória, pois com a  ajuda da melodia é mais fácil guardar o texto.

É assim que as crianças ali vão rapidamente aprendendo o francês, além do alemão. Muitas delas (44 ao todo) já vêm, inclusive, de famílias com histórico migratório. Além do alemão, alguns falam em casa turco, espanhol, italiano ou português.

Cantar ajuda no aprendizado escolar
Mesmo que um multilinguismo do gênero não seja usual nas instituições alemãs, fato é que a maioria das educadoras do país tem cada vez mais contato com crianças bilíngues. Isso influencia também o repertório musical nas creches e jardins, observa Heike Holland, que treina outras pedagogas na formação de crianças pequenas. “Muitas das que têm histórico de migração na família trazem consigo uma música de toque oriental”, conta ela. Além disso, as crianças gostam também de cantar aquilo que ouvem no rádio ou na televisão – canções, via de regra, em inglês.

O sociólogo Thomas Blank, da Universidade de Münster, sugere a pais educadores que ofereçam bastante música a seus filhos e alunos. Uma pesquisa realizada com 500 crianças abaixo de 6 anos de idade mostrou que, quanto mais elas cantam, maior é sua capacidade de aprendizado escolar. “Elas podem se expressar melhor, conseguem se colocar melhor na posição dos outros e são com menor frequência vítimas de gripes ou resfriados”, cita Blank.

Cantar alia a lógica ao sentimento
O resultado das pesquisas não surpreende o sociólogo. “Entre o segundo e o sexto anos de vida, a ligação entre o lado esquerdo e o direito do cérebro, ou seja, a ligação entre a lógica e o sentimento, pode ser muito bem aperfeiçoada. E é exatamente isso que acontece quando se canta”, acentua Blank.

A afinação, nesse caso, não importa. Pelo contrário. O cantar deve ser isento de qualquer pressão pela perfeição, aconselha o especialista. “As crianças precisam ter prazer cantando e têm que poder experimentar”, diz ele. Pois a música é algo saudável. “Cantar diminui o estresse e a agressão, além de fortalecer o espírito coletivo”, conclui Blank. Ou seja, torna o ser humano simplesmente um pouco mais feliz.