Plantas medicinais têm eficácia reconhecida em manual da Anvisa

Isso mesmo! O que a turma de terapeutas e integrantes da Rede Zenitude estão sabendo há tempos agora tem o reconhecimento da Associação Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Mil-Folhas para cólicas, alho para abaixar o colesterol ruim, arnica como antiinflamatório, canela para a falta de apetite, mulungu como calmante, folhas de pitangueira para diarréia e da goiabeira, também para diarréia e antisséptico bucal. Dicas de nossas avós, que agora estão, com receita de preparo e tudo, no órgão oficial de vigilância em saúde no Brasil.

É o reconhecimento de que muito do que consumimos, em termos de medicamentos industrializados, poderia ser substituído por soluções terapêuticas naturais, menos agressivas para o corpo e responsáveis por um malhor equilíbrio orgânico. Sabemos, inclusive, que há um grande interesse nos grandes laboratórios nacionais em nossa biodiversidade vegetal e até mesmo a tentativa de patentear a extração e a manipulação de alguns desses espécimes.

Portanto, vamos lá. Redescobrindo a medicina natural. Usando com o devido cuidado, pois há, sim, efeitos colaterais e contra-indicações em alguns produtos.

Para ter acesso ao Manual completo da Anvisa, com 25 páginas, com as indicações de uso, propriedades terapêuticas e outras características das plantas medicinais, basta clicar aqui.