Reiki e reflexologia ajudam na recuperação de transplantados em São Paulo

A Rede Zenitude incentiva a prática de terapias complementares como um método para alcançar o equilíbrio e a saúde integral. É sempre bom, perceber que a cada dia essas técnicas vêm ganhando espaço, tornando-se mais conhecidas e utilizadas por todas as pessoas, em diferentes locais pelo país e pelo mundo. Vejam, nessa matéria, como o Reiki e a reflexologia (massagem terapêuticas nos pés e mãos) estão oferecendo suporte físico e emocional aos pacientes paulistanos.

Os usuários do Hospital de Transplantes “Euryclides de Jesus Zerbini”, em São Paulo, contam com uma terapia alternativa para enfrentar o período de internação com mais confiança e tranquilidade. O reiki, técnica terapêutica baseada na medicina oriental, é aplicado semanalmente e apresenta bons resultados em mais de 90% dos internados.

O reiki foi reconhecido como terapia complementar pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 1962. Segundo Berenice Sabadell, professora e primeira voluntária do Hospital de Transplantes (antigo Hospital Brigadeiro), atuante há mais de 10 anos, a técnica ajuda a liberar bloqueios permitindo que o doente aceite melhor o tratamento convencional. Também auxilia na respiração promovendo tranquilidade.

– São 20 minutos em que “desliga-se” de tudo para concentrar-se apenas em saúde e bem estar. É desta forma que reconquistamos a autoestima destas pessoas”.

Além da aplicação do reiki, a terapeuta ainda utiliza essências para massagear as mãos e pés dos pacientes, com técnica de tratamento conhecida com reflexologia.

Para os pacientes com hemofilia (distúrbio que impede a coagulação do sangue), que precisam ir ao hospital frequentemente para receber medicação, as sessões são capazes de anular, mesmo que por um curto período, os desconfortos causados pela patologia. Já a maioria dos transplantados afirma que o relaxamento proporcionado pela terapia diminui as dores do pós-operatório.

Conheça os princípios do reiki, segundo seus mestres e praticantes:

– Apenas por hoje, não se preocupe;
– Apenas por hoje, não se aborreça;
– Honre pais e mestres;
– Trabalhe honestamente;
– Seja gentil com todos os seres.

Reflexologia Podal: uma terapia relaxante e eficaz!

Apaixonante! Deliciosa! Fantástica! Nas nuvens! Esses são adjetivos que costumo ouvir, a respeito de uma terapia complementar que vem-se difundindo com mais evidência, de uns tempos para cá.  Em meio às “novas” terapias holísticas, você já deve ter ouvido alguém falar em “reflexologia podal”. Se não ouviu, o destino ainda não lhe proporcionou a oportunidade de despertar-lhe a curiosidade para um tratamento relaxante e simplesmente maravilhoso, em termos de prevenção e diminuição do estresse.Quando eu coloquei “novas”, entre aspas, foi proposital. Isso porque sabemos que técnicas inspiradas na manipulação dos pés não são assim tão novas. Há mais de 5 mil anos, os chineses já praticavam várias formas de terapias de pressão e várias delas incluíam uma maneira ou outra de atuar sobre os pés, semelhante à atual reflexologia. Uma antiga tumba, escavada em Saqqara, lá no Egito, datada de 2330 a.C., indica que os antigos egípcios conheciam um método de tratamento semelhante. 

 

Também na Índia e no Japão, antigos já havia registros de massagens terapêuticas nos pés e algumas tribos de índios norte-americanos, em especial os Cherokee, usavam uma versão de terapias na sola dos pés, desde o século XVII. Um detalhe interessante: continuam a aplicar as tácnicas até hoje, como parte integrante do seu ritual de cura. 

Muitos pesquisadores, médicos e cientistas dedicaram-se ao estudo das chamadas “zonas reflexas”, zonas da pele e da musculatura mais superficial que se tornam hiperssensíveis à pressão quando um órgão ligado por nervos a certas regiões da pele apresentam algum distúrbio. Hoje, praticantes da acupuntura (reconhecida como prática médica), Shiatsu e reflexologia (reconhecidas oficialmente, no Brasil, pelo Sistema Único de Saúde, como terapias complementares à Medicina tradicional) sabem que temos zonas reflexas não apenas nos pés, mas também no abdome, nas costas, nas mãos.

Experimente receber uma carícia nos pés ou uma massagem nas costas e perceberá efetivamente os benefícios da estimulação nas zonas reflexas.

Nos pés, é possível, em ação imediata, intervir como auxiliar em um dos principais males desse século: o estresse. Ele é, justamente, uma das causas mais comuns das doenças – o efeito das pressões cotidianas sobre nosso corpo, ao lado de outras influências negativas, como a poluição, os aditivos e agrotóxicos nos alimentos e a vida na cidade. Todos somos afetados pelo estresse, em diferentes níveis. Como conseqüência direta, muitos são afetados por problemas físicos decorrentes. Para citar apenas alguns: dor de cabeça e enxaqueca, tensão na nuca, dor nas costas, distúrbios digestivos, instabilidade emocional, dificuldade para dormir, ansiedade, impaciência, debilidades do sistema nervoso, pressão alta, doenças na pele e constantes gripes e resfriados.

Se você quiser fazer dois testes bem interessantes, para comprovar a interligação dos terminais reflexos que estão em seus pés, aqui vai uma sugestão. O primeiro: vá até a cozinha, pegue um dente de alho e esfregue com vigor na sola dos pés, principalmente em toda a região abaixo da metade e próxima ao calcanhar. Aguarde alguns minutos e sentirá a “agradável” sensação de ter ingerido alho, inclusive exalando aquele hálito “peculiar”. Nenhuma mágica. Nessa região, estão as zonas reflexas da boca e estômago.  Outra experiência: quando estiver com obstrução nasal (nariz “entupido), em vez de aplicar Vick Vaporub no tórax, experimente esfregar a pomada, massageando a região da planta dos pés, próxima à região do encontro com os dedos. Pronto! Probleminha resolvido, pois você estimulou, justamente, a região do pulmão e peito.

Sou apaixonado pela Reflexologia! É fascinante perceber como o paciente desce da maca, após uma sessão de reflexologia podal como se descesse das nuvens! Sua fala, antes agitada, é mais suave. São raros os pacientes que não dormem durante a sessão e relatam sonhos repletos de imagens de calma, serenidade, alegria e até mesmo revelações transcendentais. No início da sessão, habitualmente utilizo um banho de imersão nos pés, com água, chás, pedras ou ervas aromáticas. Há pessoas que afirmam que “só esse começo já valeu a sessão”. Para o terapeuta, a sessão é profundamente relaxante, também, já que o ritmo da reflexologia podal é tranquilo, sereno, habitualmente acompanhado de aromas e música estimulante de sensações de paz e calma. É comum percebermos uma sinergia tão grande que o ritmo respiratório de paciente e terapeuta harmonizam-se, como se buscassem a unificação.

Nas sessões, há sempre o momento para o diálogo confiante. Falar já é parte do tratamento, para muitas pessoas. Afinal, em um eficiente atendimento, não basta conhecer o processo do outro. É preciso levar o outro a se autoconhecer. O terapeuta, assim, espelha a verdade do outro.

O tratamento através da reflexologia é indolor. Mesmo em zonas que apontem distúrbios orgânicos, os “alertas” que o organismo emite são sutis, normalmente mais perceptíveis pelo terapeuta do que pelo cliente. Há pouquíssimas contra-indicações. Não é recomendável para gestantes nos primeiros três meses e nas três últimas semanas de gravidez. Pacientes com trombose, varizes ou outros problemas circulatórios e diabéticos só devem receber tratamento com estímulos zonais sob acompanhamento e autorização médica. Também deve ser evitado se o paciente estiver com febre, já que o estímulo em algumas zonas provoca a elevação da temperatura corporal.

Se estiver interessado(a) em experimentar uma sessão de Reflexologia Podal, agende um horário: (31) 3421-8102 ou zenitude@neymourao.com.br. Momentos de serenidade, relaxamento, calma e auxílio no tratamento de distúrbios aguardam por você!