Reiki e reflexologia ajudam na recuperação de transplantados em São Paulo

A Rede Zenitude incentiva a prática de terapias complementares como um método para alcançar o equilíbrio e a saúde integral. É sempre bom, perceber que a cada dia essas técnicas vêm ganhando espaço, tornando-se mais conhecidas e utilizadas por todas as pessoas, em diferentes locais pelo país e pelo mundo. Vejam, nessa matéria, como o Reiki e a reflexologia (massagem terapêuticas nos pés e mãos) estão oferecendo suporte físico e emocional aos pacientes paulistanos.

Os usuários do Hospital de Transplantes “Euryclides de Jesus Zerbini”, em São Paulo, contam com uma terapia alternativa para enfrentar o período de internação com mais confiança e tranquilidade. O reiki, técnica terapêutica baseada na medicina oriental, é aplicado semanalmente e apresenta bons resultados em mais de 90% dos internados.

O reiki foi reconhecido como terapia complementar pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 1962. Segundo Berenice Sabadell, professora e primeira voluntária do Hospital de Transplantes (antigo Hospital Brigadeiro), atuante há mais de 10 anos, a técnica ajuda a liberar bloqueios permitindo que o doente aceite melhor o tratamento convencional. Também auxilia na respiração promovendo tranquilidade.

– São 20 minutos em que “desliga-se” de tudo para concentrar-se apenas em saúde e bem estar. É desta forma que reconquistamos a autoestima destas pessoas”.

Além da aplicação do reiki, a terapeuta ainda utiliza essências para massagear as mãos e pés dos pacientes, com técnica de tratamento conhecida com reflexologia.

Para os pacientes com hemofilia (distúrbio que impede a coagulação do sangue), que precisam ir ao hospital frequentemente para receber medicação, as sessões são capazes de anular, mesmo que por um curto período, os desconfortos causados pela patologia. Já a maioria dos transplantados afirma que o relaxamento proporcionado pela terapia diminui as dores do pós-operatório.

Conheça os princípios do reiki, segundo seus mestres e praticantes:

– Apenas por hoje, não se preocupe;
– Apenas por hoje, não se aborreça;
– Honre pais e mestres;
– Trabalhe honestamente;
– Seja gentil com todos os seres.

Pesquisas comprovam benefícios do Reiki e outras terapias do biocampo

 

Sim! A ciência mais ortodoxa começa a dar o braço a torcer, reconhecendo os benefícios das terapias que atuam no campo energético, como o Reiki, a calatonia, a biomassagem, dentre outras. Notícias que merecem um brinde em forma de vibração! Tim-tim na alma!

reikiPesquisadores da Universidade da Califórnia, uma das mais respeitadas dos Estados Unidos, decidiram fazer uma revisão geral dos inúmeros estudos científicos que estudaram a eficácia das chamadas terapias do biocampo, incluindo Reiki, terapia do toque, toque terapêutico, biomassagem e outras.

As terapias do biocampo geralmente oferecem resultados muito além dos prometidos pelos tratamentos convencionais, baseados em psicoterapia e em medicamentos. Essas modalidades de terapia complementar afirmam utilizar a energia sutil do corpo – o biocampo – para ativar os processos de cura do próprio organismo.

As terapias do biocampo se oferecem como tratamentos complementares, entre outros, para redução da dor em vários tipos de doenças, redução da ansiedade em pacientes hospitalizados e redução de comportamentos agitados em quadros de demência.

Pesquisas científicas sobre biocampo

Os doutores Shamini Jain, especialista em prevenção de câncer, e Paul Mills, psiquiatra, decidiram então fazer uma análise detalhada e isenta das várias pesquisas publicadas por outros cientistas sobre as diversas formas de terapias do biocampo.

Os resultados acabam de ser publicados no periódico médico Journal of Behavioral Medicine.

Terapias do biocampo

Um número cada vez maior de pessoas utiliza as terapias do biocampo em tratamentos e como medidas preventivas, apesar do pequeno número de pesquisas científicas envolvendo o tema e, principalmente, de evidências mais concretas de que elas funcionam de fato.

Essas técnicas vêm sendo utilizados por milênios em várias culturas, para curar problemas físicos e mentais. Somente muito recentemente elas passaram a ser analisadas com os métodos científicos da medicina ocidental.

Em uma revisão detalhadas de 66 estudos clínicos que estudaram as terapias do biocampo em diferentes populações de pacientes, sofrendo de uma grande variedade de condições médicas, os dois cientistas decidiram examinar a integridade dos argumentos e das evidências científicas colhidas para mostrar a eficácia dessas terapias complementares.

Evidências fortes e moderadas

Os dois cientistas concluíram que, no geral, os trabalhos científicos publicados nesta área têm uma qualidade média em termos científicos, destacando-se igualmente estudos de excelente qualidade e estudos cujas metodologias apresentam algum tipo de falha.

Quanto aos resultados dos estudos, os dois cientistas encontraram fortes evidências de que as terapias do biocampo reduzem a intensidade da dor em populações não-hospitalizadas.

Para os pacientes hospitalizados e para os pacientes com câncer, as evidências de que as terapias do biocampo reduzem a intensidade da dor foram catalogadas como moderadas.

Os cientistas também encontraram evidências moderadas de que essas terapias acalmam comportamentos agitados em pacientes com vários tipos de demência. Os resultados são similares quando o tratamento complementar é voltado para reduzir a ansiedade em pacientes hospitalizados.

Novas pesquisas científicas

As evidências coletadas pelos diversos estudos não são conclusivas quanto ao uso das terapias do biocampo para o tratamento de sintomas de fadiga e para a melhoria da qualidade de vida de pacientes com câncer, assim como para a redução da dor e da ansiedade em pacientes especificamente com problemas cardiovasculares.

Os autores concluem que há uma grande necessidade de mais estudos de alta qualidade sobre o tema e sugerem áreas específicas para a realização de novas pesquisas científicas.

Médicos devem conhecer as terapias do biocampo

A principal conclusão dos dois cientistas, contudo, é no sentido de que os médicos passem a conhecer as terapias do biocampo.

“A fim de informar melhor os pacientes dos benefícios potenciais, ou dos não-benefícios, dessas intervenções baseadas no biocampo, os médicos e os cientistas na área da medicina comportamental devem se familiarizar com a teoria e com a prática dessas terapias, assim como das pesquisas feitas na área,” concluem os especialistas.

(Em Belo Horizonte, para ser atendido e conhecer mais sobre Reiki e outras terapias bioenergéticas, ligue: 3421-8102 ou mande um email para zenitude@neymourao.com.br )