Contra diversas doenças, o melhor remédio: felicidade!

Felicidade é o melhor remédio para combater inúmeras doenças. Nada mais “Zenitude” do que buscar ser feliz! Vejam o que diz essa notícia…

Buscar atividades que deem prazer e produzem felicidade pode evitar males como gastrite, hipertensão e asma

Gastrite, hipertensão, asma, herpes e até artrite são doenças que podem ser evitadas com uma receita aparentemente simples: ser feliz. Estudos reunidos pela psicoterapeuta Fátima Marques, da Sociedade Americana de Psicologia, revelam que pessoas que se sentem bem consigo mesmas produzem mais substâncias que ajudam o funcionamento do organismo — os chamados hormônios da felicidade: endorfina, dopamina, serotonina e noradrenalina.

Pesquisas mostram que pessoas alegres apresentam um sistema imunológico mais eficiente, mais resistente e menos vulnerável a doenças, além de apresentarem uma recuperação mais rápida quando em tratamento”.

Fátima explica que, quando uma pessoa está estressada ou em depressão, produz cortisol (hormônio do estresse) em excesso, fazendo com que o organismo entre em estado de alerta. Se isso ocorre com frequência, o sistema imunológico pode se esgotar.

“Se não há equilíbrio hormonal, o sistema imunológico fica o tempo todo em estado de emergência. A sobrecarga abre uma porta enorme para entrada e instalação de doenças autoimunes, como lúpus, fibromialgia e psoríase, além daquelas que a maioria sabe que têm ligação com estresse, como a impotência”.

Segundo a psicoterapeuta, a noção de felicidade é subjetiva — só o próprio indivíduo sabe o que o faz verdadeiramente feliz. Mas é possível dar um empurrãozinho: “Procure uma atividade física de que goste de verdade e faça lista com seus sonhos. Não precisa mostrar a ninguém, basta tentar cumpri-los”, ensina.

Vigiar

No momento em que vivemos, um dos atos mais importantes, em nosso processo de crescimento é a vigilância constante. Já dizia o Mestre: “Vigiai e orai” (Mateus 26:41).

Mas, em meio a tantos afazeres do cotidiano, surgem as dificuldades e dúvidas. Como manter-se vigilante? Como identificar momentos em que estamos sendo “alvo” de pensamentos sugestionados? Quando perceber que estou sendo movido e influenciado por aqueles que não querem meu crescimento interior? Podemos nos orientar tendo como base de todos os nosso atos os ensinamentos de Jesus. Este pode ser um caminho. Mas, os ensinamentos de Jesus são muitos, você pode pensar.

Que tal resumir, então, em “fora da caridade não há salvação”; ou “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”? Facilita um pouco o processo? Sim, mas ainda existem momentos em que não percebemos que a vida está sujeita a influências do mundo espiritual que se tornam negativas e danosas ao nosso crescimento. A sintonia é outra forma de não nos deixarmos conduzir. Se estamos “sempre” conectados com uma energia positiva, que nos traz bons pensamentos, tendemos a não nos conectar com energias danosas e prejudiciais.

Experimente lembrar-se de instantes que você identifica como influências perniciosas. Nestes momentos, você estava com bons pensamentos? Como estava seu processo de vigilância, nestas ocasiões? É importante destacar que manter-se vigilante também é evitar manter sentimentos de rejeição, de inferioridade, de inveja. Evitar apegar-se a notícias ruins, fofocas e outros pensamentos pouco saudáveis.

Nossas vidas pregressas são a causa de alguns momentos de conexão com energias menos evoluídas espiritualmente. Já assumimos muitos papéis e já cometemos muitos erros. Mas, Deus, em sua infinita misericórdia, oferece-nos uma oportunidade de reparar nossos erros e dar novos passos. Infelizmente, no entanto, as consequências de nossos atos passados, muitas vezes, são as cobranças que sofremos dos que ainda  encontram-se presos a situações do passado. O sentimento de amor e desejo de que eles evoluam é o remédio que nos auxilia e livra-nos das cobranças. Mas, sem a vigilância, estaremos sujeitos a permitir que eles interfiram e influenciem em nossos atos e nossa vida.

Não adianta revoltar-nos. Não adianta reclamar. Conecte-se com energias positivas, desde o início do seu dia. Esteja atento! Vivemos um momento na Terra onde as chances de escolher um caminho estão sendo oferecidas a todos. Alguns já fizeram suas escolhas e desejam que outros os sigam. E você, já fez sua escolha? Se já, seja firme e não se deixe desviar. Vigie e ore, pedindo a Deus proteção e orientação.

Boletim 2011 – O que vem por aí/01 – Caminhadas energéticas

Até meados de janeiro, em matéria de ações presenciais, a Rede de Amigos Zenitude estará assim:
Literalmente, “na rede”!

… De pernas para o ar, relaxando e recarregando as energias e, claro, alimentando uma saudade boa e gostosa bem ali, do lado esquerdo do peito, no chakra cardíaco. 😉
Claro que continuaremos por aqui, na “rede virtual”, em nossa lista de diálogo, Twitter e no site, pois o que a gente gosta mesmo é de se encontrar, nem que seja nas ondas virtuais.

Caminhadas energéticas
Mas para que você já vá se planejando, em 2011, retornaremos com as nossas caminhadas energéticas, que continuarão acontecendo sempre aos terceiros domingos de cada mês (salvo quando tivermos feriadões ou atividades especiais, quando faremos as devidas alterações, com antecedência).

O objetivo dessas caminhadas é a promoção do lazer e da saúde integral, colocando os membros da Rede Zenitude em contato com locais junto à natureza ou rodeados de arte, cultura e relaxamento. Durante o III Encontro Celebrando, que aconteceu em novembro/2010, uma das pautas de discussão foi, justamente, as caminhadas energéticas, que passam a ter algumas novidades. Vamos a elas:

1. A partir de agora, em cada mês, as caminhadas terão um “aZENte motivador”. Este agente motivacional, voluntário a cada mês, se incumbirá de, junto com os demais do grupo, indicar um local para o passeio, pesquisar as vantagens e atrativos da localidade e estar presente na caminhada. Com grande alegria, já temos “aZENtes motivadores” para os quatro primeiros meses do ano. Isso é que é eficiência no planejamento, que merece aplausos. Já temos os cinco primeiros meses com pessoas defininidas. Relembrando:
– Janeiro – Dia 16 – Ana Paula Oliveira e Maura Oliveira
– Fevereiro – Dia 20 – Rosângela Rocha
– Março – Dia 20 – Márcia Leão
– Abril – Dia 17 – Valéria Marx
– Maio (data ainda a ser definida – essa caminhada promete surpresas!) – Ricardo Quaresma, Eni Quaresma e Daniel Quaresma.
 
Se já houver voluntários para os demais meses, podem se apresentar. E vale a mesma regra de sempre: não quer dizer que o pessoal aí de cima vá trabalhar sozinho. Eles são apenas os motivadores, as “chamas” que irão nos iluminar. Sugestões e auxílio de todos serão bem-vindos, inclusive de vocês, que nos leem em cidades distantes de Belo Horizonte. Quem sabe, uma hora dessas não fazemos as malas e embarcamos para um lugar “tão-tão distante”? 😉
 
2. Procuraremos fazer mais caminhadas em locais mais próximos a BH, intercaladas com os locais mais distantes, para oportunizar que todos consigam estar no maior número de passeios possível.
 
3. Sempre que conseguirmos parcerias, teremos, nas caminhadas, um momento de formação – um diálogo sobre qualquer um dos valores da Rede, com um especialista convidado ou com alguém do próprio grupo que possa nos “brindar” com seus conhecimentos. Por exemplo, em um momento da caminhada, poderíamos ter uma sessão de relaxamento, uma vivência dirigida ao ar livre ou um pequeno diálogo sobre o cuidado com o corpo. Se tiverem sugestões e convidados, podem nos enviar! 

É isso! Como veem, estamos “na rede”, mas com a cabecinha nas estrelas! Aguardem nossos próximos “Boletins 2011”!   

 

A Saúde e as Emoções

A entrevista abaixo é um excelente aprendizado sobre o papel que as emoções tem em nosso bem estar. E como isto tem sido discutido e apresentado ultimamente!

Na semana passada assisti a uma palestra sobre depressão e a oradora disse da importância de assumirmos para nós que sentimos inveja em alguns momentos. Sim, porque é difícil para nós assumirmos isto.  A sociedade nos ensina a viver dentro de um modelo onde de um lado está o bem e de o outro o mal. Grande parte de nós acha que determinadas emoções e sentimentos nos colocam do lado do mal e não é assim. Podemos sentir inveja, sim. Mas, o que vamos fazer com esta inveja é que define o nosso caráter. Um estado emocional momentâneo não é determinante de nosso EU. Não é por que fazemos um determinado ato de caridade que somos uma pessoa altamente evoluída, assim como não é porque sentimos raiva ou inveja em determinadas situações que iremos nos sentir o pior dos seres humanos.

Se o companheiro de trabalho nos puxa o tapete, sentimos raiva, ficamos decepcionados. Penso  que dizer que iremos dar a outra face para que ele bata é nos agridir. Não estamos neste nível ainda. Aí, muitas vezes, reprimimos a emoção e nos detonamos!

Que, a partir da leitura da entrevista do Dr. Jorge Carvajal, possamos refletir sobre o que temos feito com nossas emoções.

Jorge Carvahal

Entrevista com o Dr. Jorge Carvajal, médico cirurgião da Universidade de Andaluzia, Espanha, pioneiro da Medicina Bioenergética. 10 de març0 de 2009.

Na realidade, boa parte das enfermidades são exatamente o contrário: são a resistência do corpo emocional e mental à alma . Quando nossa personalidade resiste aos desígnios da alma, adoecemos.

A Saúde e as Emoções

Há emoções prejudiciais à saúde?  Quais são as que mais nos prejudicam?

70 por cento das enfermidades do ser humano vêm do campo da consciência emocional. As doenças muitas vezes procedem de emoções não processadas, não expressadas, reprimidas.  O medo, que é a ausência de amor, é a grande enfermidade, o denominador comum de boa parte das enfermidades que temos hoje. Quando o temor se congela, afeta os rins, as  glândulas suprarrenais, os ossos, a energia vital, e pode converter-se em pânico.

Então nos fazemos de fortes e descuidamos de nossa saúde?

De heróis os cemitérios estão cheios. Tens que cuidar de ti. Tens teus limites, não vás além.    Tens que reconhecer quais são os teus limites e superá-los, pois, se não os reconheceres, vais destruir teu corpo.

Como é que a raiva nos afeta?

A raiva é santa, é sagrada, é uma emoção positiva, porque te leva à autoafirmação, à busca do teu território, a defender o que é teu, o que é justo. Porém, quando a raiva se torna irritabilidade, agressividade, ressentimento, ódio, ela se volta contra ti e afeta o fígado, a digestão, o sistema imunológico.

Então a alegria, ao contrário, nos ajuda a permanecer saudáveis?

A alegria é a mais bela das emoções, porque é a emoção da inocência, do coração e é a mais curativa de todas, porque não é contrária a nenhuma  outra. Um pouquinho de tristeza com alegria escreve poemas. A alegria com medo leva-nos a contextualizar o medo e a não lhe darmos tanta importância.

A alegria acalma os ânimos?

Sim, a alegria suaviza todas as outras emoções, porque nos permite processá-las a partir da inocência. A alegria põe as outras emoções em contato com o coração e dá-lhes um sentido ascendente. Canaliza-as para que cheguem ao mundo da mente.

E a tristeza?

A tristeza é um sentimento que pode te levar à depressão quando te deixas envolver por ela e não a expressas, porém ela também pode te ajudar. A tristeza te leva a contatares contigo mesmo e a restaurares o controle interno. Todas as emoções negativas têm seu próprio aspecto positivo.  Tornamo-las negativas quando as reprimimos.

Convém aceitarmos essas emoções que consideramos negativas como parte de nós mesmos?

Como parte para transformá-las, ou seja, quando se aceitam, fluem, e já não se estancam e podem se transmutar. Temos de as canalizar para que cheguem à cabeça a partir do coração. Que difícil!  Sim, é muito difícil. Realmente as emoções básicas são o amor e o medo (que é ausência de amor), de modo que tudo que existe é amor, por excesso ou deficiência. Construtivo ou destrutivo. Porque também existe o amor que se aferra, o amor que superprotege, o amor tóxico, destrutivo.

Fonte: texto da entrevista recebido através do grupo de discussão da Rede Zenitude, mantido noYahoo Grupos.